Imagem: Diorio/Estadão Conteúdo/AE

É bem possível que a cadeia do etanol hidratado tenha sentido algum recuo nas vendas com a escalada seguida dos preços ou tenha ficado mais cautelosa com novos anúncios de restrições impostas por governadores e prefeitos. Ontem os negócios foram mais lentos.

Pelo menos no elo da distribuição, na base Paulínia (SP), a mais importante do Brasil, o Indicador Diário do Etanol, pesquisado pelo Cepea, mostrou alta mais comedida, na comparação com a terça. Foi de 0,57%, com o litro a R$ 2,9730, contra 3,07% do dia anterior.

Na semana passada, a média de alta foi forte nas distribuidoras e ajudou a fechar o mês de fevereiro em quase mais 31%.

Mesmo assim, considerando uma conta simples, a margem das empresas na sexta-feira, sobre a média do avanço de preços nas usinas na mesma semana, de 7,25% (R$ 2,7100/litro), foi de R$ 0,1745, menor que a verificada na terça, de R$ 0,2630.

Da entender que na quarta a margem foi cortada, com o reajuste menor, possivelmente também sob menos apetite das indústrias.

 Por Giovanni Lorenzon

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Os Futuros do Petróleo subiram durante a sessão dos Estados Unidos

Na Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros do Petróleo em Março foram negociados na entrega a US$ 61,24 por barril no momento da escrita, subindo 1,98%.

Distribuidoras preparam entrada no setor de refino

20/12/2019 – Pesos-pesados em distribuição de combustíveis no País, os grupos Ultra,…

Rali do petróleo pode atrasar recuperação de refinarias na Ásia

Com o petróleo perto de US$ 70 o barril, refinarias asiáticas alertam que a rápida alta dos preços e a maior volatilidade afetarão a demanda e reduzirão as margens de processamento ainda apertadas.

Represamento dos reajustes da Petrobras bate direto no etanol, além de nos importadores

Sem que a Petrobras (PETR3; PETR4) repasse integralmente as altas do petróleo…