Mercado do etanol em compasso de espera ante o petróleo e com preços mais comportados (Imagem: Reuters/Marcelo Teixeira)

O comportamento dos preços do etanol hidratado negociado nas usinas e destilarias está em estabilidade nestes últimos três dias, segundo agentes do mercado, com as distribuidoras absorvendo compras mais volumosas da semana anterior, quando tiveram que pagar mais, e esperando os rumos do petróleo e os reflexos na gasolina.

A decisão unilateral de Donald Trump de suspender as negociações com os Democratas sobre o pacote de estímulos à economia, que abria as esperanças até ontem do mercado e sustentou o óleo cru perto dos US$ 42 desde segunda, tirou o viés de alta.

Adicionado ao aumento dos estoques do país na semana anterior, em 951 mil barris, segundo o divulgado pelo American Petroleum Institute, o anúncio do presidente dos Estados Unidos fez diminuir as altas da terça e os negócios caem nesta quarta (7), na bolsa de Londres.

Às 9 horas (Brasília), o contrato para entrega em dezembro recua próximo dos 2%, com o barril em torno dos US$ 41,80.

Na segunda, o etanol trouxe a alta de 1,92% na indústria, a R$ 1,8642, livre de impostos. Foi a segunda semana de aumento.

E esteve ameaçado pelo petróleo, que fechou a sexta abaixo dos US$ 40 o barril do tipo Brent, e daria suporte para a Petrobras (PETR3PETR4) refletir em cortes da gasolina, depois do aumento de 5% no dia 29.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo engatam 2ª semana de ganhos apesar de disparada da Covid na Índia

O petróleo fechou em leve alta nesta sexta-feira, mesmo com o agravamento da crise da Covid-19 na Índia, e emplacou o segundo ganho semanal consecutivo, frente ao cenário de otimismo com uma recuperação econômica global.

México pode lucrar mais de US$ 2 bilhões com hedge de petróleo

O México deve lucrar com sua operação de hedge soberano de petróleo…

Alta do petróleo: a crescente rivalidade entre duas monarquias por trás da disparada de preços

Uma disputa pública entre os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita sobre as cotas de produção de petróleo nesta semana fez com que as negociações entre as maiores nações produtoras do mundo fossem abandonadas, deixando os mercados de energia sem referências e empurrando os preços do recurso para o maior valor em seis anos.

Consumo de combustíveis em março mostra impactos iniciais da pandemia

Queda na demanda por combustíveis do Ciclo Otto foi de 14% no comparativo com o mesmo período de 2019