Foto: Unem/Divulgação

Com a gasolina 3% mais cara desde a quarta-feira na refinaria e o petróleo nesta quinta (17) renovando máximas de quase R$ 51,50 (mais 0,78%), há expectativa de que o etanol saia da semana com preços melhores nas usinas e destilarias.

Na semana passada, o bicombustível caiu 0,18%, para R$ 2,0512, no levantamento do Cepea/Esalq, depois de outros dois períodos consecutivos de recuos.

Houve cadenciamento das distribuidoras, diante do repasse para o varejo dos acréscimos anteriores.

Agora, como o anúncio da Petrobras (PETR3; PETR4) de elevação da gasolina foi na terça e o óleo cru vem de altas seguidas por expectativa de vacina e menor estoques americanos, o que indica novos reajustes se a sexta confirmar novos ganhos em Londres, as fábricas devem vender um pouco mais.

Também há uma expectativa, tradicional, de melhora nas vendas, que caíram em novembro, com o fim de ano.

As distribuidoras, portanto, podem demandar um pouco mais sobre os estoques das indústrias.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Exportação de derivados de petróleo do Irã bate recorde apesar de sanções dos EUA

O Irã alcançou um recorde de exportações de produtos de petróleo, apesar das sanções dos Estados Unidos, disse o ministro do Petróleo, Bijan Zanganeh, em declarações transmitidas pela televisão nesta sexta-feira.

Créditos de carbono do RENOVABIO são negociados por menos de US$ 3

Em duas operações concluídas na semana passada, créditos de carbono do RenovaBio, os CBIOs, foram negociados a R$ 15 por título.

Países vão elevar oferta de petróleo, em meio à recuperação na demanda

Países da Opep e os aliados, como a Rússia, aceitaram cortar produção em 9,7 milhões de barris por dia desde maio para segurar queda nos preços

ANP deve regulamentar venda direta de etanol até outubro, diz ministro

Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) aprovou em 4 de junho uma resolução com diretrizes para essas vendas diretas.