Etanol sobe em 14 estados; preço médio avança 0,09% no país, confirma ANP

Os preços médios do etanol hidratado subiram em 14 Estados na semana de 26 de janeiro a 1º de fevereiro, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. O biocombustível caiu no Distrito Federal e nos Estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima e São Paulo.

Na média dos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol subiu 0,09% na semana ante a anterior, de R$ 3,247 para R$ 3,250. Em São Paulo, principal Estado produtor, consumidor e com mais postos avaliados, a queda foi de 0,36% no período e a cotação média do hidratado variou de R$ 3,061 para R$ 3,050 o litro. A maior alta semanal, de 3,68%, foi em Goiás e a maior queda, de 2,95%, no Rio de Janeiro.

Na comparação mensal, os preços do etanol subiram em todos os 26 Estados e no Distrito Federal. Na média brasileira, o preço do biocombustível pesquisado pela ANP acumulou alta mensal de 2,95%.

O preço mínimo registrado na semana passada para o etanol em um posto foi de R$ 2,69 o litro, em Mato Grosso, e o menor preço médio estadual, de R$ 3,050, foi registrado em São Paulo. O preço máximo individual, de R$ 4,999 o litro, foi registrado em um posto do Rio Grande do Sul, Estado que também registrou o maior preço médio, de R$ 4,362 o litro.

Fonte: Estadão Conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.