Mercado de etanol monitora os próximos passos da estatal na direção à gasolina (Imagem: Agência Brasil/ Marcello Casal Jr)

A disparada do petróleo, se mantida e vir a fazer a Petrobras (PETR3PETR4) injetar mais reajuste na gasolina, pode dar a competitividade que o etanol vinha arriscando a perder. A menos que não vá junto para cima, com as usinas querendo recuperar mais as margens perdidas nos últimos três meses.

O biocombustível, negociado ao redor de R$ 1,90, como vem ocorrendo, é uma coisa, mas o viés de alta apontando aos R$ 2,00, ou mais, é perigoso.

Martinho Ono, CEO da SCA Trading, acredita que o valor negociado, que deixa o litro em R$ 1,55 líquido, está no limite para os produtores aproveitarem melhor a onda de consumo aumentando com o relaxamento do isolamento social.

A gasolina parou de cair depois que a Petrobras concedeu o 3º aumento e o etanol começou a se aproveitar. Apesar do dólar em queda, o risco de novos aumentos é real se persistir o rali de alta do petróleo.

O barril do Brent, negociado em Londres, às 11h10 (Brasília), sobe mais de 5% a US$ 42,09.

Por hora, o mercado está precificando a possibilidade de realmente a Opep e seus aliados, liderados pela Rússia, decidirem pela extensão dos cortes de produção por mais dois meses, além da retomada das atividades econômicas em muitos países.

Fonte: MoneyTimes

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Venda direta da usina ao posto não diminuirá preço do etanol em Ribeirão Preto, dizem especialistas

Representantes do mercado do etanol na região de Ribeirão Preto (SP) dizem…

Preço da Gasolina: Refit vai ao CADE contra RAÍZEN

Em meio à guerra aberta entre o presidente Jair Bolsonaro, governadores e Petrobras pelo…

Por Que o Petróleo Deve Continuar em Consolidação (ao Menos no Curto Prazo)

Esta semana tivemos diversas perspectivas austeras para demanda no mercado petrolífero, mas os preços ignoraram esses relatórios e subiram.

Postos veem queda de 50% nas vendas e temem “quebradeira geral”, diz Fecombustíveis

A Fecombustíveis, federação que representa postos de combustíveis no Brasil, já teme uma “quebradeira geral” diante de uma queda média já registrada de 50%.