O projeto que autoriza a venda direta das usinas para os postos de combustível divide opiniões dentro do setor sucroenergético

A venda de etanol das usinas diretamente para os postos de combustível voltou a ganhar repercussão nas últimas semanas. O presidente da República, Jair Bolsonaro, pediu ao líder da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, a aprovação do projeto. De acordo com Bolsonaro, a medida serviria para baixar o preço da gasolina nas bombas.

Dentro do setor alcooleiro, há quem defenda o projeto e afirma que ele possa baratear o custo do etanol nos postos, como é o caso da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana). “Com a opção da venda direta aos postos, aumentamos a concorrência em um segmento dominado pelas distribuidoras. Elas não vão acabar com esse projeto, mas terão que se adequar a uma nova realidade do mercado, onde os preços serão mais baixos”, afirma Alexandre Lima, presidente da Feplana.

Lima ressalta que a entidade foi uma das primeiras a apoiar o projeto desde a sua criação, quando o Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 978/18 foi apresentado pelo senador Otto Alencar (PSD-BA). O dirigente alega, ainda, que alguns estados já estão prontos para efetuar a venda direta de etanol. O grande impasse, segundo ele, seria a mudança na forma de recolher tributos, como o ICMS e o PIS/Cofins. Como a venda direta hoje é proibida pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), teria que ser criado uma nova forma de tributos para o etanol que sair da usina direto para o posto de combustível.

Aqueles contrários à venda direta de etanol alegam que a fiscalização sobre a qualidade do produto pode ser comprometida. Sobre o tema, o presidente da Feplana rebate. “As usinas ficarão com amostragem de todo produto que sair para os postos como uma garantia. Temos resoluções da ANP com o foco no controle da qualidade, e acredito que usina terá um cuidado maior”, diz Lima.

Venda direta não é unanimidade no setor
Desde que foi proposta, a venda direta de etanol por parte das usinas nunca teve o apoio integral do setor sucroenergético no país. Para o deputado federal e presidente da Frente Parlamentar pela Valorização do Setor Sucroenergético Câmara dos Deputados, Arnaldo Jardim, a medida não trará o resultado que se imagina.

“O que nós temos hoje é um equilíbrio e equalização de preços. De todo o etanol produzido no Brasil, apenas 3% vem do Nordeste, sendo que o consumo por lá é bem maior que esse percentual. Ou seja, a proximidade de usinas a postos não necessariamente significa um combustível mais barato”, defende Jardim.

Assim como o presidente da Feplana, o deputado também mostra preocupação com a questão tributária sobre a venda direta de etanol. “No modelo de venda atual, metade do PIS/Confins é recolhido na usina e a outra metade na distribuidora. A grande questão é que não temos um sistema tributário que reconheça a venda direta do etanol. É preciso deixar bem claro como será feita essa cobrança de imposto, pois pode acabar ficando tudo a cargo do produtor”, afirma o deputado.

Jardim defende o modelo atual de negociação do biocombustível e ressalta que ele é mais seguro para indústrias e consumidores. “O fato de o etanol passar pela distribuidora para chegar ao consumidor final não serve apenas para criar novas instâncias. O processo dá segurança para o setor, evita a evasão de divisas ficais e atesta a qualidade do etanol que o produtor está vendendo”.

Neste momento, o PDC tramita na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. De acordo com o presidente da Feplana, o projeto pode entrar em vigor em breve, já que tem ampla maioria dos parlamentares para ser aprovado.

Fonte: Canal Rural

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Conselho avalia que Petrobras está blindada e resistência à troca de comando perde força

O conselho de administração da Petrobras avalia que mudança no estatuto da companhia feita em 2018 blinda a gestão contra interferências na política de preços dos combustíveis.

76º Leilão de Biodiesel da ANP negocia 1,11 bilhão de litros

No 76º Leilão de Biodiesel da ANP, foram arrematados 1.105.300.000 litros de…

Sauditas e russos em lados opostos antes de reunião de Opep+

rábia Saudita e Rússia mais uma vez entram em uma reunião da Opep+ em lados opostos de um debate crucial sobre o mercado de petróleo.

Preço do petróleo fecha em queda nos EUA por temores com vacinação contra o coronavírus

Os preços do petróleo dos Estados Unidos fecharam em leve queda nesta sexta-feira, após operarem em intervalo limitado durante a sessão.