EUA aprova projeto para impedir ‘manipulação’ de preços de combustível

A Câmara dos EUA aprovou projeto que busca impedir "altas excessivas" e "manipulação" em preços de combustível

A Câmara dos EUA aprovou nesta quinta-feira, 19, um projeto de lei que busca impedir “altas excessivas” e “manipulação” em preços de combustíveis durante períodos de emergência energética.

O projeto venceu por 217 votos a 207. A votação seguiu o esperado, com toda a bancada republicana votando contra a pauta e apenas quatro deputados democratas contrários ao projeto, enquanto outros dez deputados – cinco de cada partido – não votaram.

O texto agora passará para votação no Senado americano.

Na prática, a lei aumentaria a autoridade da Comissão Federal de Comércio, agência reguladora ligado ao governo dos EUA, contra o que seriam considerados preços exploratórios de petróleo e gás a consumidores no país.

Favorável à pauta, o deputado democrata Adam Schiff afirmou, em postagem no Twitter, que a votação desta quinta representa um passo do Legislativo contra a “manipulação” de grandes companhias petroleiras e em direção à transição para fontes energéticas renováveis.

Por outro lado, a Câmara do Comércio nos EUA alertou que o projeto pode significar uma imposição de controle de preços e desencorajar a produção de nova energia, resultando em uma oferta doméstica ainda mais apertada.

Os preços dos combustíveis nos EUA atingem seu maior valor em décadas em meio à crise de oferta, retomada econômica após o auge da pandemia e a guerra na Ucrânia. Frentes como alimentos também encareceram com a alta nos custos de produção.

Os EUA enfrentam inflação acima de 8%, a maior em 40 anos, e a alta tem impactado a popularidade do presidente Joe Biden. O tema é sensível ao Partido Democrata, que enfrenta eleições legislativas de meio de mandato (as chamadas midterms) em novembro, quando a legenda deve ter dificuldade de manter sua atual maioria no Congresso.

(Com informações do Estadão Conteúdo)

Petróleo fecha em queda, com manutenção de plano da Opep+ no radar

Os contratos futuros do petróleo fecharam em baixa nesta quinta-feira, 30, enquanto operadores acompanharam a decisão da Organização de Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) de manter o atual plano de oferta. Movimentações do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, também estão no radar e investidores poderam o possível aumento na oferta da commodity.

Preço da gasolina tem redução em postos em SP, mostra pesquisa do Procon

O Procon-SP (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) realizou um monitoramento em postos de combustível da capital paulista e no interior do estado de São Paulo e constatou uma queda média de R$ 0,30 por litro no preço da gasolina comum em 477 postos.

Petróleo: Cotas Mais Altas da Opep+ Não Vão Aumentar Produção de Petróleo

É improvável que a Opep+ decida se desviar de seus planos de produção de petróleo existentes na reunião de hoje. No mês passado, surpreendeu o mercado ao aumentar as cotas de produção mais do que o esperado. No entanto, a maioria dos países da Opep+ já está produzindo em suas capacidades máximas agora, portanto, mesmo com cotas mais altas, não devemos esperar que muito mais petróleo chegue ao mercado produzidos por seus membros.