A Colonial disse que retomou no domingo as operações de algumas linhas menores entre terminais de combustíveis e pontos de entrega a consumidores, mas que os principais dutos seguem fechados (Imagem: Colonial Pipeline/via REUTERS)

O governo dos Estados Unidos e a principal operadora de oleodutos do país trabalhavam nesta segunda-feira para assegurar operações de uma rede de dutos que transporta quase metade do suprimento da costa leste do país e foi paralisada após um ataque cibernético, com o fechamento das instalações entrando em seu quarto dia.

O ataque sobre a Colonial Pipeline na semana passada, um dos mais impactantes já registrados, gerou efeitos através do setor de petróleo, afetando a oferta de combustíveis pelo leste dos EUA, gerando até algumas restrições sobre vendas nos postos para os consumidores e pressionando os preços de referência da gasolina para máxima em três anos.

Parlamentares norte-americanos pediram proteções mais fortes para infraestruturas criticas do setor de energia do país, enquanto a Casa Branca colocou a retomada das operações dos dutos como prioridade, organizando uma força-tarefa federal para avaliar o impacto e evitar novas e mais severas interrupções dos serviços.

O sudeste dos EUA deve ser a primeira região a sentir aumentos de preços nas bombas, e a demanda já aumentou, com motoristas buscando encher seus tanques. A região é mais dependente dos dutos impactados e tem menor alternativas de suprimento que Estados do norte. Ela já foi mais afetada em problemas anteriores nos dutos.

→ Espera-se que a legalização das apostas esportivas seja muito significativa aos impostos

Embora investigações do governo dos EUA sobre o ataque estejam em estágio inicial, um ex-membro do governo e três fontes do setor disseram que suspeita-se que os hackers sejam de um grupo de ciber-criminosos chamado “DarkSide”.

Especialistas em cibersegurança disseram que o grupo parece ser formado por veteranos de crimes virtuais focados em arrancar o máximo dinheiro possível de seus alvos.

A Colonial disse que retomou no domingo as operações de algumas linhas menores entre terminais de combustíveis e pontos de entrega a consumidores, mas que os principais dutos seguem fechados. A empresa não divulgou projeções sobre uma retomada total das instalações atingidas, que somam 8.850 quilômetros.

O sistema de oleodutos é a principal artéria de distribuição de combustíveis de refinarias na Costa do Golfo para Estados do médio Atlântico e do sudeste. Movimenta mais de 2,5 milhões de barris por dia em gasolina, diesel e combustível de aviação, abastecendo motoristas e importantes aeroportos.

O Departamento de Transporte anunciou medidas de emergência no domingo para facilitar entregas, suspendendo restrições para motoristas de caminhões de combustível em 17 Estados afetados pela paralisação. O órgão ainda pode tomar medidas adicionais se a interrupção continuar.

Operadores do mercado de combustíveis, por sua vez, reservaram provisoriamente pelo menos seis navios-tanque para enviar gasolina da Europa para destinos nos Estados Unidos após o ataque. Dois traders europeus de gasolina, no entanto, disseram que o mercado está adotando uma abordagem cautelosa para ver quanto tempo o fechamento durará.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Fecombustíveis solicita ao Ministério da Justiça aprimoramento e prorrogação do Decreto 10.634

A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) realizou, ontem (09/03), uma reunião com a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) do Ministério da Justiça e Segurança Pública para tratar do Decreto 10.634.

ANP: preço médio do etanol cai em 20 Estados e no DF e sobe em outros 6

Os preços médios do etanol hidratado caíram em 20 Estados e no Distrito Federal na última semana, de acordo com levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. Nos postos pesquisados pela ANP em todo o País, o preço médio do etanol caiu 4,6% na semana de 28 de março a 3 de abril ante a anterior, de R$ 4,067 para R$ 3,880 o litro.

Dia de incêndio nas cotações do petróleo em Londres e Nova York

O petróleo tem queda acentuada no pregão americano, seguindo o tombo vertiginoso em Londres nesta terça (23).