EUA liberam petróleo das reservas após recusa da Opep+ de bombear mais

WASHINGTON (Reuters) – Os Estados Unidos anunciaram nesta terça-feira que liberarão milhões de barris de petróleo da reservas estratégicas, em movimento coordenado com China, Índia, Coreia do Sul, Japão e Grã-Bretanha para esfriar preços após produtores da Opep+ ignorarem apelos por mais oferta.

O presidente dos EUA, Joe Biden, enfrentando baixos índices de aprovação em meio a aumento da inflação antes das eleições legislativas do próximo ano, pediu repetidamente à Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, conhecidos como Opep+, para bombear mais petróleo.

O anúncio de terça-feira de que os EUA vão liberar 50 milhões de barris foi feito depois que uma autoridade disse que Washington tinha abordado os principais consumidores de energia asiáticos para ajudarem a reduzir preços do petróleo de máximas de quase três anos.

A Grã-Bretanha não tinha sido anteriormente mencionada como envolvida no plano.

Foi a primeira vez que Washington coordenou tal movimento com alguns dos maiores consumidores de petróleo do mundo, disseram as autoridades.

A Opep+, que inclui a Arábia Saudita e outros aliados dos EUA no Golfo, assim como a Rússia, rejeitou os pedidos para bombear mais em suas reuniões mensais. A organização se reúne novamente em 2 de dezembro, mas até agora não mostrou nenhuma indicação de que mudará de rumo.

A liberação da Reserva Estratégica de Petróleo dos EUA seria por meio de um empréstimo e também por venda para empresas, disseram autoridades americanas.

O empréstimo de 32 milhões de barris ocorrerá nos próximos meses, enquanto o governo aceleraria a liberação de 18 milhões de barris em vendas já aprovadas pelo Congresso.

“Vamos continuar conversando com parceiros internacionais sobre essa questão. O presidente está pronto para tomar medidas adicionais se necessário, e está preparado para usar todas as suas autoridades trabalhando em coordenação com o resto do mundo”, disse uma autoridade sênior dos EUA a repórteres.

A Índia disse em um comunicado que liberaria 5 milhões barris, enquanto a Grã-Bretanha disse que permitiria a liberação voluntária de 1,5 milhão de barris de petróleo de reservas privadas.

A Coreia do Sul disse que detalhes sobre a quantidade e o momento da liberação das reservas de petróleo seriam decididos após discussões com os Estados Unidos e outros aliados.

A mídia japonesa disse que Tóquio iria anunciar seus planos na quarta-feira.

O petróleo Brent estava sendo negociado acima de 80 dólares o barril nesta terça-feira, acima de seus níveis vistos antes do anúncio, mas ainda bem abaixo da máxima de três anos registrada no mês passado, de mais de 86 dólares.

Petróleo despenca até 13% e WTI fica abaixo de US$ 70, com temor por nova cepa

Os contratos futuros do petróleo despencaram nesta sexta-feira, 26, com recuo de até 13%. Tanto em Nova York, quanto em Londres os ativos tiveram o pior desempenho desde o início de setembro, com o WTI tendo perdido a marca dos US$ 70.

Governo vende 55 milhões de barris de petróleo do pré-sal por R$ 25 bilhões

A PPSA (Pré-Sal Petróleo SA) vendeu nesta sexta-feira (26) 55 milhões de barris de petróleo do pré-sal que pertencem à União. Pelas cotações atuais, o leilão representa uma arrecadação de R$ 25 bilhões para o governo federal no prazo de cinco anos.

Opep+ monitora nova variante da Covid-19, com receios sobre perspectiva, dizem fontes

A Opep+ está monitorando os desenvolvimentos em torno da nova variante do coronavírus, disseram fontes nesta sexta-feira, com alguns expressando preocupação de que isso possa piorar as perspectivas do mercado de petróleo menos de uma semana antes de uma reunião para definir política.