Foto: Lucas Lacaz Ruiz – 2.mai.2019/Folhapress

Segunda maior produtora de petróleo no país e com investimentos de grande porte em outros segmentos do setor energético, a anglo-holandesa Shell tem hoje no Brasil a situação mais crítica em relação à pandemia entre todas as suas atividades globais.

Em entrevista para falar sobre a estratégia do grupo nesta sexta (16), o presidente da Shell Brasil, André Araújo, evitou comentários sobre o governo, mas admitiu que a empresa vê “com bastante preocupação” o cenário.

O Brasil, disse ele, é considerado peça-chave na estratégia da companhia, que prevê zerar as emissões líquidas de carbono até 2050. “Nossos investimentos no Brasil são de longo prazo e temos plena expectativa de que globalmente vamos ter a solução para a pandemia”, afirmou.
Desde o início da pandemia, a Shell enfrentou três grandes surtos de contaminações pela Covid-19. O primeiro, em suas atividades em terra, o segundo em plataformas em alto mar e o terceiro e mais recente, entre os funcionários da área administrativa que estão em home office.

Atualmente, a empresa acompanha três funcionários, três familiares e quatro colaboradores de empresas contratadas internados por complicações da Covid-19. Desde o início da pandemia, 330 funcionários foram contaminados e um morreu.

“A Shell teve fatalidades em diversos países e todas elas foram acontecendo nos momentos de pico da pandemia”, afirmou. “Hoje, o Brasil é o local que contribui com o número maior [de contaminações]. Os números tiveram um pico interno no começo de janeiro e agora em março houve um pico grande também.”

Questionado sobre a avaliação da companhia sobre a gestão da crise sanitária pelo governo, Araújo afirmou que não falaria “especificamente da condução de indivíduos”.

“Mas posso dizer que a Shell tem incentivado desde o primeiro momento o uso adequado das regras básicas, como distanciamento social e o uso de máscaras”, disse. “Temos sido cada vez mais rígidos nesse assunto e [somos] muito favoráveis à vacinação.”
Demora na compra de vacinas, incentivo a aglomerações e questionamentos sobre o uso de máscaras estão entre os alvos de críticos da gestão federal e da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) aberta pelo Senado para investigar a ação do governo.

Apesar da permissão para a importação de vacinas por empresas privadas, a Shell diz que não interesse em negociar doses neste momento, “por entender que a priorização de vacinação deve ser dar dentro dos grupos de maior risco definidos pelas autoridades competentes”.

Ao contrário da Petrobras, a Shell conseguiu passar pela pandemia sem suspender operações de plataformas de produção de petróleo no país.

A empresa é sócia da Petrobras em alguns dos maiores campos do pré-sal e, em fevereiro, extraiu uma média de 433 mil de barris de óleo e gás por dia em suas operações brasileiras. O volume equivale a 13% da média global de produção registrada pela companhia em 2020.

A Shell tem também operações nos segmentos de gás natural, geração de energia, distribuição de combustíveis e produção de etanol, os dois últimos por meio da Raízen, parceria com o grupo brasileiro Cosan.

No momento, a empresa constrói em Macaé, no litoral norte do Rio, a usina termelétrica Marlim Azul, a primeira projetada no país para usar gás do pré-sal. Parceria com o grupo Pátria, o projeto foi contratado em leilão de energia do governo em 2017.

Em dezembro de 2019, os parceiros assinaram com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) contrato de financiamento de R$ 2 bilhões. O projeto é parte de um esforço para encontrar mercados para sua produção de gás.

Para compensar as emissões de carbono por suas operações petrolíferas, a Shell prevê investimentos em reinjeção de gás carbônico e na aquisição de negócios mais sustentáveis, que devem receber ao menos US$ 2 bilhões (cerca de R$ 11 bilhões) por ano.

No Brasil, como parte dessa estratégia, a empresa negocia autorização para a implantação de dois parques de geração solar, uma na Paraíba e outro em Minas Gerais. Além disso, aposta no desenvolvimento de combustíveis renováveis pela Raízen.

“A entidade Shell Brasil Petróleo tem com carro chefe a produção de petróleo e gás e isso não vai mudar em dois minutos”, comentou Araújo. “Mas temos estratégia muito alinhada com a estratégia global, principalmente no que diz respeito ao crescimento [em energias renováveis].”

Fonte: Folha de São Paulo

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Arábia Saudita deve elevar produção de petróleo com recuperação do preço, diz WSJ

A Arábia Saudita planeja aumentar a produção de petróleo nos próximos meses, revertendo um recente corte de oferta, de acordo com reportagem do Wall Street Journal nesta quarta-feira, que citou assessores do país.

RenovaBio: Agricultura finaliza MP de tributação dos CBIOS, mas economia quer alíquota maior

Postado em 6 de Outubro de 2020 O Ministério da Agricultura finalizou…

ANP: gasolina está mais competitiva do que o etanol em todos os Estados e no DF

Os preços médios do etanol na semana de 28 de março a 3 de abril não se mostraram vantajosos em comparação com os da gasolina em nenhum dos Estados brasileiros ou no Distrito Federal.

Unica diz que distribuidoras que questionam CBios querem autorização para poluir mais

SÃO PAULO (Reuters) – A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) afirmou…