Exportações de produtos petrolíferos da China despencam com a redução das cotas

As exportações chinesas de gasolina e diesel despencaram em julho em relação a junho, depois que a China cortou as cotas de exportações autorizadas de produtos petrolíferos refinados, de acordo com dados da Administração Geral de Alfândegas citados pela Reuters na quarta-feira.

As exportações chinesas de gasolina, diesel e querosene de aviação deverão cair significativamente no resto do ano por causa das cotas reduzidas, dizem analistas.

Em julho, as exportações de diesel da China caíram 41 por cento e as exportações de gasolina despencaram 49 por cento, à medida que os refinadores esgotaram as cotas de exportação alocadas no primeiro lote para 2021.

No segundo lote deste ano, no entanto, as autoridades chinesas reduziram na semana passada as cotas em 73% em comparação com a cota do segundo lote do ano anterior.

Devido à redução significativa nas cotas do segundo lote, as exportações chinesas de gasolina, óleo e querosene devem cair em pelo menos 19 por cento em 2021, Yu Yunfeng e Anita Yang da Independent Commodity Intelligence Services (ICIS) escreveram em uma análise Semana Anterior.

“[O] excesso de oferta de destilados domésticos pode diminuir devido à escassez de cotas de importação de petróleo no setor privado de refinarias independentes após a recente repressão ao comércio de cotas de importação de petróleo e um fornecimento mais restrito de gasolina e óleo na China”, escreveram eles.

Nos últimos meses, a China tem aumentado a fiscalização sobre a indústria de refino para reprimir o comércio ilícito de combustível, fechar brechas que algumas empresas têm usado para evitar o pagamento de impostos sobre o consumo de combustível e conter o excesso de oferta de combustível, parte do qual é o resultado evasão ou evasão fiscais.

No início deste ano, as autoridades chinesas disseram que iriam impor um imposto de consumo sobre o óleo de ciclo leve (LCO) importado, aromáticos mistos e betume diluído a partir de 12 de junho.

A China está, portanto, tentando fechar uma brecha fiscal que os refinadores têm usado até agora para importar combustíveis baratos para a fabricação de gasolina e outros combustíveis. Os impostos são parte dos esforços para aliviar o excesso de combustível doméstico e reduzir a poluição, tributando pesadamente as importações de vários tipos de combustíveis de mistura, que estão sendo usados ​​pelas refinarias para produzir combustíveis de qualidade inferior.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).