(Imagem: REUTERS/Ricardo Moraes)

A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) realizou, ontem (09/03), uma reunião com a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) do Ministério da Justiça e Segurança Pública para tratar do Decreto 10.634, que obriga os postos a divulgar a composição de preços dos combustíveis.

A Fecombustíveis reafirma sua total disposição em atender ao decreto do governo federal, porém da forma como foi redigido será de difícil execução pelos postos do país. A Federação destaca os principais pontos de aprimoramento para evitar autuações indevidas em virtude da dificuldade em obter informações precisas sobre os tributos e demais obrigatoriedades exigidas.

1) Prorrogar o prazo de início da vigência por pelo menos 60 dias até que o Decreto seja aprimorado;

2) Os dados relativos à tributação de cada produto deverão ser informados na nota fiscal pelas distribuidoras para que o posto possa transferir os valores divulgados para o painel, já que no sistema atual os postos não têm acesso ao montante de tributos pagos nos elos anteriores da cadeia, pois são substituídos tributariamente;

3) Atualização quinzenal do painel de preços dos combustíveis nos dias 1o e 16 de cada mês, para acompanhar a divulgação do Ato Cotepe/ PMPF;

4) Retirar do painel o valor correspondente ao PMPF, informando somente o valor por litro do ICMS, para não gerar dúvidas ao consumidor, que pode confundir o preço de pauta com o preço de bomba;

5) Excluir do painel os preços promocionais oferecidos pelos aplicativos das distribuidoras, tendo em vista que as condições não são ofertadas pelo posto, e sim pela companhia detentora do aplicativo.Autor/Veículo: Assessoria de Comunicação da Fecombustíveis

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

China compra mais petróleo do Irã e reduz apetite por barris do Brasil e Angola

Importações recordes de petróleo do Irã pela China nos últimos meses reduziram o espaço para compras de produtores rivais, forçando vendedores do petróleo de países como Brasil, Angola e Rússia a reduzir preços e diversificar embarques para a Índia e Europa.

Petrobras reduz gasolina pela 2ª vez no mês; diesel tem 1ª queda desde setembro

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) – A Petrobras informou nesta segunda-feira redução…

Ultrapar é alvo de ataque hacker e opera em contingência

O conglomerado Ultrapar (UGPA3) afirmou nesta terça-feira que foi alvo de um…

Pedro Serra: Qual o futuro do mercado de óleo e gás no Brasil?

Nesta semana, a Petrobras (PETR3;PETR4) esteve no centro das atenções devido a sua política de preços.