Gasolina engata 1 ano e três meses de alta nos postos e bate média de R$ 6,15 por litro

O salto em agosto, segundo a empresa, faz com que o aumento acumulado desde maio do ano passado dois meses após o início da pandemia de Covid-19

O preço médio da gasolina nos postos de combustíveis do Brasil atingiu em agosto um ano e três meses de altas consecutivas, ao avançar 2,02% em relação ao fechamento do mês anterior, indicou levantamento publicado pela ValeCard nesta segunda-feira.

De acordo com a empresa de soluções para gestão de frotas, cuja pesquisa considera transações realizadas com seu cartão de abastecimento em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, a cotação média do combustível nas bombas terminou este mês a 6,157 reais por litro.

“Os dados mostram que Amapá (6,65%) e Distrito Federal (6,43%) registraram as maiores altas no período. Apenas o Rio Grande do Norte apresentou queda no valor do combustível no período (-1,43%)”, disse a ValeCard.

O salto em agosto, segundo a empresa, faz com que o aumento acumulado desde maio do ano passado dois meses após o início da pandemia de Covid-19, quando o preço médio da gasolina era de 4,01 reais por litro atinja 53,54%.

A ValeCard indicou ainda que, mesmo com o salto nos preços da gasolina, em termos econômicos o combustível fóssil tem levado vantagem em relação ao etanol em todos os Estados do país.

O preço médio do etanol no país no mês de agosto foi de 4,499 reais/litro, de acordo com a companhia.

Para compensar completar o tanque com o biocombustível, o valor do litro deve ser inferior a 70% do preço da gasolina.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).