Gasolina já subiu 27% desde janeiro, mostra Índice de Preços Ticket Log

Pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), mostra que a gasolina chegou a ser vendida a R$ 7,219

O litro da gasolina ficou 27% mais caro, de janeiro a agosto, segundo o Índice de Preços Ticket Log (IPTL). No mês passado, o combustível foi vendido, em média, a R$ 6,119. Comparado a julho, a alta foi de 1,88%. A pesquisa foi realizada em 21 mil postos varejistas credenciados da Ticket Log, empresa gestora de frotas e de soluções de mobilidade.

Pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), mostra que a gasolina chegou a ser vendida a R$ 7,219 na semana de 22 a 28 de agosto, último período em que foi divulgada.

Os dois postos que comercializam o combustível mais caro do País estão localizados no município de Bagé, no Rio Grande do Sul, e são de bandeira Ipiranga. O segundo, na mesma cidade, é da Petrobras Distribuidora. Nele, o litro da gasolina custa R$ 7,185.

De acordo com o IPTL, o preço da gasolina subiu em todo País. A alta mais expressiva, na média do mês, de 3,09%, foi registrada na região Centro-Oeste, que também apresentou o maior valor, em agosto, de R$ 6,268. A menor alta foi registrada no Nordeste, de 1,39%, enquanto, no Sul, onde é vendida a gasolina mais cara do País, foi encontrado o menor valor por litro, de R$ 5,912.

No recorte por Estados, o Rio de Janeiro liderou o ranking dos que cobram o maior preço por litro, R$ 6,524, alta de 2,19% em comparação a julho. Já o Amapá teve a menor variação, de 0,42%, com o combustível sendo comercializado a R$ 5,511. No Distrito Federal, foi registrada a maior, de 6,04%, com o litro custando, em média, R$ 6,409.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).