Gazprom Neft pronta para aumentar a produção em linha com a OPEP + acordo

A Gazprom Neft, braço de petróleo da gigante russa do gás Gazprom, será capaz de aumentar rapidamente sua produção de petróleo em linha com o acordo da OPEP + para desfazer os cortes coletivos, disse uma das maiores empresas produtoras de petróleo da Rússia à Reuters por e-mail na sexta-feira.

A Gazprom Neft possui muitos poços de petróleo, nos quais reduziu a produção devido às cotas de produção da OPEP +. Além disso, alguns poços de petróleo estão parados desde o ano passado, disse a empresa à Reuters.

No ano passado, a Gazprom Neft reduziu sua produção de líquidos em 4% por causa do acordo OPEP +. Mas a empresa também é um dos principais impulsionadores do potencial da Rússia para aumentar a produção por causa de seu plano de aumentar a produção em vários campos de petróleo.

A Rússia, líder do grupo não-OPEP na aliança OPEP +, atualmente bombeia algo em torno de 9,6 milhões de barris por dia (bpd) de petróleo bruto e outros cerca de 900.000 bpd em condensados, que não estão incluídos na cota russa.

A Rússia viu sua produção de petróleo aumentar pela primeira vez em três meses em julho, enquanto a OPEP + continuava a reduzir os cortes de produção e a manutenção planejada em alguns campos de petróleo russos terminados.

A conformidade da Rússia com o acordo OPEP + será de cerca de 100 por cento em julho, disse o vice-primeiro-ministro e negociador-chefe do petróleo, Alexander Novak, no início deste mês.

A Rússia pode aumentar sua produção de petróleo em agosto em 100.000 bpd, de acordo com os parâmetros do acordo OPEP + fechado em julho, acrescentou Novak.

O vice-primeiro-ministro disse depois que a OPEP + selou o acordo que a Rússia poderia voltar a bombear 10,5 milhões de bpd até maio de 2022 e, em uma fase posterior, aumentar a produção de petróleo bruto para 11,5 milhões de bpd, dependendo do mercado global de petróleo.

Alguns analistas russos, no entanto, disseram à Reuters que duvidam que o país consiga atingir e manter um nível de produção de petróleo bruto de 11,5 milhões de barris diários.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).