Goldman: OPEP + improvável que abra as torneiras apesar das chamadas dos EUA

A OPEP + dificilmente responderá com aumento de produção para as chamadas dos EUA em meio à variação crescente da Delta, que deve reduzir a demanda de petróleo de curto prazo, disse o Goldman Sachs .

No início desta semana, a Casa Branca pediu ao grupo OPEP + que aumentasse a produção de petróleo mais do que o planejado, a fim de controlar o aumento dos preços da gasolina, que pode prejudicar a recuperação econômica global.

O Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse em um comunicado que “Estamos engajados com membros relevantes da OPEP + sobre a importância dos mercados competitivos na definição de preços”.

Os custos mais altos da gasolina, se não forem controlados, podem prejudicar a recuperação global em andamento ”, diz o comunicado.

Comentando sobre a possibilidade de a OPEP + aumentar a oferta, os analistas do Goldman Sachs disseram em uma nota divulgada na quinta-feira pela Reuters: “Não vemos o recente comunicado da Casa Branca como uma ameaça ao atual déficit do mercado nem ao ritmo do rebalanceamento no 2S21.”

Com isso, o banco de investimento manteve a projeção para os preços do petróleo do tipo Brent em US $ 80 o barril no final deste ano. O Brent estava sendo negociado a cerca de US $ 71 na sexta-feira.

O Goldman continua otimista com o petróleo, embora espere que o aumento da variante Delta tenha uma resistência transitória na demanda de petróleo nos próximos dois meses.

Espera-se que a demanda de petróleo da China seja 1 milhão de barris por dia (bpd) menor nos próximos dois meses do que o esperado anteriormente devido ao aumento do número de caixas COVID no maior importador de petróleo do mundo, disse o banco no início desta semana.

“Olhando além do vento contrário no Delta, esperamos que a recuperação da demanda continue ao lado do aumento das taxas de vacinação”, disse o Goldman Sachs na nota de quinta-feira.

“Imaginamos que haverá bastante relutância dos sauditas e do grupo em geral em aumentar ainda mais a produção, principalmente devido à incerteza contínua sobre a disseminação da variante delta”, disseram os estrategistas do ING Warren Patterson e Wenyu Yao na quinta-feira .

“Precisamos ver quanta pressão os EUA estão dispostos a colocar sobre a Arábia Saudita para que eles abram mais as torneiras”, acrescentaram.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).