(crédito: Arquivo/Agência Brasil)

Apesar de dizer que não vai interferir nos preços dos combustíveis, o governo de Jair Bolsonaro estuda uma forma de tentar amortecer os reajustes. Uma das alternativas é a criação de um fundo que possa ser usado para compensar variações muito acentuadas da cotação internacional do petróleo.

A ideia de criar um fundo soberano foi citada ontem pelo vice-presidente Hamilton Mourão e pelo general Joaquim Silva e Luna, indicado para o comando da Petrobras pelo presidente Bolsonaro, ontem. O fundo poderia ser custeado pelos royalties do petróleo, que hoje são divididos pelo governo com os estados e municípios e também ajudam a bancar investimentos em saúde e educação.

“A solução para isso é se a gente conseguisse criar um fundo soberano com base nos royalties do petróleo, e esse recurso, quando houvesse essas flutuações, fosse utilizado para amortecer os aumentos. Não tem outra solução fora disso aí”, disse Mourão. “Seria alguma coisa como um fundo regulador”, reforçou Luna e Silva, que disse ter uma boa experiência nesse sentido com o “colchão regulador” de Itaipu, que garante a água necessária ao funcionamento da usina em momentos críticos de abastecimento. “A preocupação do presidente é legítima e está em dois aspectos: a previsibilidade dos preços e o preço do combustível propriamente dito”, defendeu o general, em entrevista à Rádio Bandeirantes, ontem.

A atual política de preços da Petrobras busca paridade com os preços internacionais de petróleo, por isso, é defendida pelo comando da estatal e pelo mercado financeiro. Porém, há tempos, incomoda o presidente Jair Bolsonaro e segmentos da população, como os caminhoneiros, já que implica em aumentos dos combustíveis quando as cotações internacionais de petróleo sobem. Só neste ano, por exemplo, o diesel subiu 27% e a gasolina, 34%, de acordo com a Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet). Afinal, o petróleo passa por um momento de valorização mundial. Além disso, a alta do dólar deixa a commodity ainda mais cara no Brasil, o que afeta os custos da Petrobras.

Por conta disso, essa política também foi alvo de estudos no governo de Michel Temer, após a greve dos caminhoneiros que ocorreu naquela época. O então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu a criação de um fundo que compensasse a oscilação dos combustíveis. A proposta, no entanto, não avançou, pois o governo optou por dar subsídios ao diesel. E, até hoje, a ideia divide analistas.

Por Correio Braziliense

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Conheça os Possíveis Cenários para o Petróleo na Próxima Reunião da Opep

Duas organizações de destaque divulgaram suas previsões atualizadas sobre a demanda petrolífera…

Etanol corre atrás da possível correção da gasolina e se adianta à fase vermelha em SP

Os produtores de etanol hidratado aproveitaram bem o aumento da gasolina na última terça em mais 8%.

Petróleo tem máxima de 11 meses e alta na semana com corte de oferta saudita

NOVA YORK (Reuters) – Os preços do petróleo atingiram o maior nível em quase…

Petrobras anuncia nova queda dos preços nas refinarias para gasolina e diesel

O diesel utilizado pelas térmicas também foram ajustados. O S500 caiu 3,1% e o S10, de maior qualidade, caiu 3,2%