A demanda visava ajudar o setor durante a crise da pandemia, que reduziu a demanda por diesel e, consequentemente a venda dos produtores de biodiesel

O Ministério de Minas e Energia não aceitou a proposta de antecipar para 1º de julho a mistura do biodiesel ao diesel dos atuais 12% para 13%. A demanda visava ajudar a indústria do biocombustível durante a crise da pandemia, que reduziu a demanda por diesel e, consequentemente a venda dos produtores de biodiesel.

A decisão foi tomada na primeira reunião ordinária deste ano do Comitê RenovaBio, comandada pelo secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, José Mauro Coelho, realizada na última sexta-feira, 22. Também ficou decidido na reunião que a definição das metas do programa para o decênio 2021-2030 serão levadas à consulta pública e depois encaminhadas para deliberação do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Segundo uma fonte próxima ao assunto, a pasta argumentou que o edital do próximo leilão já está publicado e que o cronograma do CNPE prevê o B13 para março do ano que vem, e, portanto, iriam seguir o cronograma. “Também falaram sobre a alta demanda da soja para exportação, e com preços elevados, o que poderia impactar no preço do biodiesel e, consequentemente do diesel”, informou a fonte.

O pedido para aumento da mistura foi liderada pela União do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio), que informou que o aumento reduziria pela metade as perdas do setor durante a pandemia da Covid-19, que teve as vendas reduzidas no último leilão promovido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A agência flexibilizou o volume de retirada do combustível pelas distribuidoras e frustrou a previsão de vendas do setor para o ano. A expectativa era de que, se aprovado, o aumento da mistura para 13% seria adotado já na próxima oferta – 73º leilão de biodiesel da ANP -, prevista para ser realizada no dia 1º de junho, para entrega de biodiesel entre 1º de julho a 31 de agosto.

De acordo com a Ubrabio, além de reduzir as perdas dos produtores de biodiesel, o aumento da mistura reduziria a necessidade de importação de diesel e ajudaria o setor de processamento de soja, além de aumentar a oferta de farelo para ração no mercado interno. O setor de biodiesel reivindica também aumento gradativo da mistura para 20%. Hoje, a previsão é de atingir 15% em 2023, com aumento de um ponto porcentual por ano. O aumento da mistura no diesel teria também o benefício da redução da emissão de gases de efeito estufa no país.

Fonte: Estadão Conteúdo

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Consumo de etanol ultrapassa 2 bilhões de litros em outubro

No acumulado do ano, demanda nacional pelo biocombustível chegou a 18,43 bilhões de litros

Home office pós-coronavírus pode reduzir consumo de combustíveis: qual o impacto para a Petrobras?

Analistas do Bradesco BBI fizeram um teste de estresse mostrando os impactos nas empresas caso ocorra um grande aumento do trabalho remoto

Preços do petróleo disparam com retomada nos EUA, Europa e China; IEA alerta para risco de novos surtos

Petróleo em forte alta nesta segunda (18), com valorização do WTI nos EUA de 8,70%, atingindo US$ 31,99 e o Brent negociado em Londres atingindo US$ 34,50, avanço de 6,15%.