Grandes empresas petrolíferas expandem sua presença no Golfo do México

As maiores empresas de petróleo aumentaram significativamente sua participação na produção de petróleo bruto no Golfo do México nos Estados Unidos nos últimos anos, enquanto empresas menores foram afetadas pela pandemia e pela suspensão do licenciamento para perfuração em águas federais, disseram executivos e analistas à Reuters .

A onda de fusões e aquisições na indústria de petróleo e gás dos Estados Unidos não se limitou à área de xisto nos últimos meses e anos. O Golfo do México viu as Big Oil bombearem uma parcela cada vez maior de petróleo da região offshore em comparação com apenas alguns anos atrás.

Os dez maiores produtores do Golfo do México dos EUA produziram até 86 por cento da média de 1,6 milhão de barris por dia (bpd) bombeados na área até agora este ano, de acordo com estimativas da Reuters baseadas em dados do Bureau of Safety and Fiscalização Ambiental (BSEE). Em 2017, esse percentual era de cerca de 75%.

Alguns produtores menores pediram falência depois que os mercados quebraram em 2020, enquanto novos investidores estão hesitantes por causa da moratória sobre o licenciamento de perfuração de petróleo em águas federais e em terras federais, que a administração Biden introduziu no início deste ano.

A suspensão dos leilões de petróleo offshore “certamente esfriou qualquer investidor em potencial”, disse à Reuters Michael Minarovic, diretor executivo da Arena Energy, uma empresa privada.

A Arena Energy acaba de sair da concordata, para a qual entrou com o pedido no ano passado.

Enquanto isso, os principais cães, incluindo supermajors BP, Shell e Chevron, estão impulsionando suas atividades no Golfo do México.

A Chevron está se preparando para perfurar em um campo de superalta pressão. Royal Dutch Shell anunciou no mês passado o sinal verde de seu projeto de águas profundas Whale no Golfo do México, a sua 12 ª projeto na região. A Shell é uma produtora líder de petróleo e gás em águas profundas no Golfo do México, produzindo 150 milhões de barris de óleo equivalente por ano – o que é cerca de metade da produção total de petróleo e gás da Shell nos Estados Unidos.

Um mês antes, a BP disse que havia iniciado o projeto Manuel , que inclui um novo sistema de produção submarina para dois novos poços ligados à plataforma Na Kika a 140 milhas da costa de Nova Orleans. A BP e a Shell detêm, cada uma, 50 por cento de participação no empreendimento Manuel.

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis, o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) se posicionou a favor da manutenção do atual modelo de funcionamento do mercado de revenda de derivados de petróleo.

Estes são os postos de combustíveis populares e preferidos por brasileiros

Os postos de combustível Petrobras BR, Ipiranga e Shell são as marcas com maior índice de popularidade entre os brasileiros, é o que aponta um estudo realizado pela empresa de pesquisa de satisfação e NPS (Net Promoter Score) SoluCX: as marcas foram citadas por 73,2%, 72,8% e 69,1% dos respondentes da pesquisa, respectivamente.

Guerra política no Brasil e economia mundial devem manter preço da gasolina nas alturas

Economistas dizem que toda vez que o discurso golpista avança, desconfiança cresce e dólar sobe, elevando o preço dos combustíveis. Motoristas de aplicativo dizem que serviço já não compensa diante dos custos.