O que acontece se eu abastecer um veículo a diesel moderno com S-500? E se colocar um S-10 num motor antigo? – Bruno Caputo, Londrina (PR)

Colocar o diesel S-10 (sigla que indica 10 partes de enxofre por milhão) em um motor antigo não tem problemas – e nem vantagens. “Um propulsor de concepção mais velha não consegue aproveitar as vantagens do combustível mais moderno”, explica Eduardo Oliveira, supervisor de engenharia da Cummins.

Antigamente, o combustível tinha 1.800 partes de enxofre por milhão, quantidade que posteriormente caiu para 50 p.p.m com a chegada do diesel S-50. O enxofre, aliás, aumenta a lubricidade do combustível e protege partes móveis do motor.

No entanto, caso haja contaminação com água, a substância forma ácidos sulforoso (H2SO3) e sulfúrico (H2SO4), que podem corroer as partes metálicas.

Quanto maior o teor de enxofre maior será o número de emissões de particulados (responsável pela fumaça preta. Crescem também as chances de carbonização do motor e de entupimento do filtro de partículas e do catalisador.

O óleo diesel de baixo teor de enxofre estreou no Brasil em janeiro de 2014, substituindo o diesel S-50. Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo), a medida “faz parte da implantação das fases P7 e L6 do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve)”, que abrange veículos pesados e utilitários a diesel produzidos a partir de 2012.

Na ocasião, a ANP nomeou 3.775 estabelecimentos para vender o diesel S-10. Todos os motores movidos a diesel fabricados a partir de janeiro de 2012 podem (e devem) rodar com este tipo de combustível, sob pena de apresentar falhas prematuras nos sistemas de pós-tratamento de gases de escape e emissões acima do tolerado.

Se o diesel S-10 não é nocivo aos motores antigos, usar o combustível mais barato em um motor feito para rodar com S-10 (como o 2.0 do Jeep Compass) terá caras consequências a longo prazo.

“Por ter muito mais enxofre em sua composição, o S-500 fará com que o catalisador do veículo fique entupido, provocando sua troca prematura”, Conclui Oliveira.

Além do dano ao catalisador, o veículo também irá gastar mais combustível e emitir mais gases poluentes. Neste caso, só se deve usar o S-500 em emergências e trajetos curtos.

Fonte: Quatro Rodas

Total
15
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VOCÊ PODE GOSTAR

Venda direta de etanol aos postos tem consenso no governo, diz ministra

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que estão avançados os estudos…

Preço do óleo diesel passará a ter reajustes quinzenais, diz Petrobras

A Petrobras anunciou nesta terça (26) mudanças em sua política de preços…

Distribuidoras são investigadas por cartel de preço.

Segundo denúncia do MP, as três grandes redes distribuidoras de combustíveis integram um cartel que majora os preços dos derivados de petróleo e lesam o cliente

ANP informa ao CADE manipulação de preços no mercado de combustíveis

09/04/2019 – A Agência Nacional do Petróleo (ANP) encaminhou para o Conselho…