Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Depois de ter sinalizado que vai publicar na próxima quinta-feira, 14, o decreto que revoga os ajustes no ICMS para hortifrutigranjeiros, energia elétrica rural e insumos agropecuários, o governo de São Paulo ainda não se posicionou sobre a alta de 1,3% nos preços dos combustíveis.

O professor de agronegócio da Universidade de São Paulo (USP), Marcos Fava Neves, explica que o aumento deve ter um impacto não apenas na economia do estado, mas em todo o país. “O diesel é usado como meio de transporte para boa parte das mercadorias, e o etanol é o mais utilizado em São Paulo. Essa medida traz a deterioração da imagem do elo transportador”, afirma.

“Os governos de São Paulo não foram eleitos para aumentar impostos, mas para reformar o estado, diminuir as de despesas e impostos para ter novos postos de trabalho. O aumento de impostos vai aumentar o custo de serviço prestado”, complementa.


Autor/Veículo: Canal Rural

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo bruto voltam acima de US$ 40 conforme a demanda aumenta

Investing.com – Os preços do petróleo bruto aumentaram acentuadamente na terça-feira (6),…

Governo estuda iniciativas para venda direta de etanol para postos de combustíveis

Alternativas são Medida Provisória (MP), para unificar cobrança do PIS/Confins sobre o biocombustível, e criar a figura da usina-distribuidora por meio de resolução da ANP

Produção e refino de petróleo voltam a patamar pré-pandemia

Maiores volumes e melhores preços elevam arrecadação de estados e municípios produtores

Petróleo cai em movimento amplo para evitar riscos impulsionado por cautela com estímulo e vírus

Investing.com – Os preços do petróleo caíam acentuadamente na segunda-feira (21) como…