Imagem: Fernando Frazão/Agência Brasil

Um amigo voltava de viagem com seu Jeep Compass quando, de repente, parou na estrada. Chama reboque para o carro, taxi para a família e foi chamado na concessionária dois dias depois.

Diagnóstico: problemas na linha de combustível, bomba e injetores. E a análise do diesel indicando falta de qualidade.

Ele me ligou blasfemando contra o posto, mas eu expliquei que – desta vez – a culpa não era do posto, mas do próprio diesel. E que a adição do biodiesel estava provocando o problema em todo o país.

A história se iniciou em 2005, com uma lei que tornou obrigatória a adição de 2% de biodiesel ao diesel a partir de 2008. O chamado B2. Mas o percentual iria crescendo gradualmente. O biodiesel é um óleo vegetal, que não polui e obtido de grãos. O principal hoje é a soja.

Entretanto, estudos feitos por diversas entidades e fábricas só aconselhavam esta adição até 7%. Mas a “bancada da agropecuária” falou mais alto e convenceu o governo a elevar o percentual para 10%, mesmo sem nenhum estudo que indicasse esta possibilidade na prática. E aí começaram a pipocar problemas. O governo, insensível, ainda autorizou mais 1% ao ano a partir de 2019, até 15% em 2023.

Problema é a água
A dificuldade do biodiesel está principalmente na presença de água, inicialmente, na proporção de 500 ppm (partes por milhão), que os produtores não conseguiram eliminar. Só reduzí-la a 200 ppm. A formação de borra é inevitável tanto nos tanques dos postos como no dos automóveis, pois – ainda por cima – o biodiesel é higroscópico, ou seja, absorve umidade do ar.

Os problemas foram se alastrando, centenas de bombas nos postos danificadas, veículos a diesel deixando de funcionar, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, pela umidade mais elevada.

Geradores de energia elétrica em grandes empresas e hospitais pifando em momentos às vezes cruciais. E usuários cobrando soluções e indenizações de concessionárias, postos, distribuidoras e fábricas.

Mesmo diante desta situação, a proporção de biodiesel, para alegria de seus produtores, voltou a subir em março deste ano, de 12% para 13%. Neste momento, foi necessário um alerta para sensibilizar o governo: o preço do biodiesel chegou a quase o triplo do próprio diesel (R$ 7,50 x R$ 2,80), o que elevaria em R$ 0,35 o custo do litro na bomba e complicaria ainda mais o tumultuado relacionamento entre governo e caminhoneiros.

Decidiu-se então retornar o percentual do biodiesel a 10% , não considerado ideal, mas que não provoca tantos problemas. Em outros países que adotam o biodiesel, o percentual está limitado a 7%, com exceção da Argentina onde também é de 10%.

Tiro pela culatra
Outro alerta: a partir de 2022, entra em vigor uma nova fase (P8) do Proconve (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores) com novos limites de emissões. E o B13 sequer foi testado nos motores com a nova tecnologia necessária para se cumprir as novas exigências.

Pior ainda: ao invés de reduzir a poluição ambiental, o excesso de biodiesel eleva o consumo e as emissões de óxidos de nitrogênio, hidrocarbonetos e monóxido de carbono.

O retorno do biodiesel ao percentual de 10% foi consequência de um documento elaborado pela Anfavea, Fecombustiveis e várias outras entidades afirmando que teores mais elevados do biocombustível no diesel só deveriam ser adotados após “análise ampla e criteriosa, que garanta a viabilidade técnica e a segurança para seus produtores e usuários”. E se é benéfico ou não para a atmosfera…

Menos etanol na gasolina?
bomba combustivel alcool etanol aditivado shutterstock
Outra polêmica na semana passada, desta vez entre a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) e a Única (que representa o setor do açúcar e do álcool).

A Fecombustiveis solicitou ao governo federal a redução da adição de etanol anidro à gasolina, hoje de 27%, para 18%, pela dificuldade na obtenção do etanol devido à quebra (entressafra) da colheita da cana. Como a legislação prevê a mistura entre os percentuais de 18% e 27%, a redução do álcool anidro (adicionado à gasolina) do máximo ao mínimo, aumentaria a oferta do etanol hidratado (vendido pelos postos) além de reduzir seus preços no mercado.

Os produtores de álcool imediatamente se manifestaram e informaram que não há falta de etanol e que nas próximas semanas haverá um aumento na colheita e oferta. E apelam para o ecológico ao afirmar que o uso do etanol “é referência mundial e estarrecedor que interesses retrógrados e ambientalmente indefensáveis visem a prejudicar a imagem do Brasil no exterior”.

Não explicaram, ainda, como resolver o problema da escassez, hoje, do álcool.

BORIS FELDMAN
Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Autor/Veículo: AutoPapo

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petróleo Brent supera US$ 49 com esperanças de demanda após vacina

Expectativa de uma recuperação mais rápida da demanda compensou um aumento nos estoques dos Estados Unidos.

Petróleo fecha em alta, apoiado por avanço do CPI dos EUA e relatório da Opep

Os contratos de petróleo fecharam em alta nesta terça-feira, 13. O avanço do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos e a revisão para cima da projeção de crescimento da demanda global pela commodity da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) puxaram o movimento, sobrepondo-se a preocupações com a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson (NYSE:JNJ) (SA:JNJB34), cujo uso supostamente provocou casos raros de trombose.

Arábia Saudita diz que Opep+ deve estar pronta para agir quando mercado precisar

Produtores de petróleo da Opep+ devem estar preparados para responder ao mercado…

Etanol subindo a R$ 2 ou mais perde vantagem, mesmo que alta do petróleo puxe a gasolina

Mercado de etanol monitora os próximos passos da estatal na direção à gasolina.