BR Distribuidora — Foto: Divulgação/Petrobras

A BR Distribuidora reportou nesta terça-feira (11) lucro líquido de R$ 492 milhões no primeiro trimestre, um salto de 110% ante mesmo período de 2020.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado também mais que dobrou, para R$ 1,18 bilhão, avanço de 116,9% em um ano, enquanto a receita da companhia subiu 23,3%, para R$ 26,13 bilhões.

O desempenho operacional é “derivado dos ganhos de margens de comercialização, redução dos gastos e maiores receitas com aluguéis e royalties”, disse a empresa.

A distribuidora ressaltou que, na comparação anual, houve um crescimento no volume de vendas de 1,6%, apesar do agravamento da pandemia do coronavírus, que voltou a pressionar a demanda de derivados ao longo do primeiro trimestre.

As vendas cresceram principalmente em razão das maiores vendas de diesel (+9,5%), de produtos Ciclo Otto (+8,6%) e Óleo Combustível (+67,4%).

O desempenho positivo compensou vendas menores de produtos de aviação (-12%), setor ainda sobre forte impacto da pandemia da Covid-19, disse a empresa, além de apontar recuo na comercialização de coque (-35,6%).

A companhia ainda ressaltou que as despesas operacionais ajustadas, já normalizadas por efeitos não recorrentes, alcançaram cerca de R$ 58 por metro cúbico, ficando R$ 5 por metro cúbico abaixo da mesma referência do trimestre anterior.

“Encerramos o primeiro trimestre de 2021 com 8.058 postos em nossa rede, representando um crescimento de 240 postos na comparação com o primeiro trimestre de 2020. Foram priorizados os investimentos com maiores retornos e com maior potencial volumétrico. Investimos nesse trimestre o valor de R$ 228 milhões no embandeiramento e manutenção da rede.”

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Abiove defende política própria para ‘diesel verde’, separada do biodiesel

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) defendeu em reunião com o governo federal na quinta-feira que o mandato de biodiesel seja “apenas de biodiesel“, e que o chamado “diesel verde” seja estimulado em política própria, disse a entidade em nota.

Etanol esvazia competitividade, perde preço, enquanto Petrobras protela reajuste na gasolina

O barril do petróleo está buscando os US$ 73 na praça de negociação futura do Brent, em Londres, a Petrobras (PETR4) protela reajustes da gasolina, e o etanol hidratado depende um pouco mais da mexida nos preços do combustível concorrente para voltar a ter maior competitividade.

Petróleo salta com sinais de Trump de ajuda à economia e alivia pressão sobre etanol

A reação firme do petróleo após sinais positivos de Donald Trump sobre novo pacote bilionário de…