Maior parte das usinas não deve adotar venda direta aos postos, afirma Fitch

Para agência de classificação de risco, a medida provisória irá causar pouco impacto no preço do etanol nas bombas

Com a entrada em vigor da medida provisória que possibilita a venda direta do etanol aos postos, a expectativa do governo é que ocorra uma diminuição nos preços do biocombustível. Porém, de acordo com Fitch Ratings, isso não irá acontecer e a maioria das empresas sucroenergéticas não deve adotar a nova possibilidade de comercialização.

A agência de classificação de risco afirma em nota que o novo processo de comercialização não deve afetar as companhias avaliadas. “O impacto da nova regra sobre os preços na bomba e sobre as margens dos produtores será irrelevante para os indicadores de crédito dos emissores”, coloca.

Segundo a Fitch, além de ser opcional, a atuação na nova regra exigiria investimentos em logística e seria um desafio para o capital de giro.

“Os distribuidores são responsáveis por uma parte relevante do armazenamento de etanol durante a safra e a entressafra”, observa e complementa: “Normalmente, as margens das distribuidoras de combustíveis são baixas e sua grande escala beneficia a cadeia de abastecimento, mas ganhos de margem em logística podem ser anulados por impostos mais altos”.

Para a Fitch, empresas como FS Agrisolutions e a São Martinho teriam o desafio logístico de fragmentar as vendas. Já companhias localizadas longe dos maiores mercados consumidores do Sudeste, como a própria FS e a Jalles Machado, teriam ganhos menores com as vendas diretas de etanol. Além disso, embora esteja localizada em São Paulo, a Zilor não deve se beneficiar da medida, pois a companhia vende toda a sua produção de combustível à Copersucar.

“Eventuais ganhos de margem seriam ofuscados por um cenário no qual os produtores já se beneficiam da recuperação da demanda e dos preços elevados dos combustíveis”, afirma.

Outro ponto levantado pela Fitch é a implicação sobre o programa RenovaBio. De acordo com a nota, a venda direta iria limitar os ganhos das usinas de etanol com a venda de créditos de descarbonização (CBios), já que os títulos são emitidos com base nas vendas a distribuidoras.

Ainda segundo a agência, a combinação de preços elevados do petróleo e a desvalorização do real em um mercado com forte concorrência irá manter o preço do etanol neste ano. “As vendas de combustíveis devem melhorar um dígito alto em 2021, devido a uma projeção de aumento de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) e à aceleração da vacinação contra o coronavírus”, projeta.

Especificamente, a estimativa é que a Raízen venda 26,5 bilhões de litros de combustível no ano fiscal que terminará em 31 de março de 2022, ante 24,4 bilhões de litros no período anterior.

Petróleo fecha em alta, apoiado por queda nos estoques dos EUA

Os contratos futuros do petróleo fecharam em alta nesta quarta-feira, 20. Apesar de abrirem em baixa com a previsão de aumento nos estoques do óleo dos Estados Unidos, os ativos operaram em geral no positivo e ganharam força quando o resultado foi de queda nos estoques.

Produção de etanol nos EUA sobe 6,2% na semana, para 1,096 milhão de barris/dia

A produção média de etanol nos Estados Unidos foi de 1,096 milhão de barris por dia na semana encerrada em 15 de outubro.

Iraque: o petróleo pode chegar a US $ 100 no próximo ano

Os preços do petróleo podem chegar a US $ 100 o barril durante o primeiro semestre de 2022 em meio a baixos estoques comerciais globais, disse o ministro do Petróleo do Iraque, Ihsan Abdul Jabbar Ismaael , na quarta-feira, conforme publicado pela Reuters.