(Getty Images)

SÃO PAULO – As últimas duas sessões têm sido de volatilidade para o mercado de petróleo, em meio a dados de estoques nos EUA mas, principalmente, por conta das expectativas para a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, ou Opep+, nesta quinta-feira (4).

Os investidores acompanham o noticiário sobre um eventual relaxamento dos cortes de produção dos países produtores. Mas, as informações, contudo, ainda são desencontradas.

Ontem, o petróleo WTI para abril fechou em alta de 2,56% (+US$ 1,53), cotado a US$ 61,28 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), enquanto o Brent para maio subiu 2,19% (+US$ 1,37), a US$ 64,07 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE). Isso após informações da Reuters, citando três fontes, de que alguns dos principais integrantes do cartel sugeriram manter a produção em abril, devido à natureza frágil da recuperação da demanda de petróleo.

O cenário, diferente das expectativas do mercado até então, levou ao aumento nos preços do barril na véspera. O consenso anterior era de que a produção seria incrementada em 500 mil barris ao dia, apontou o Commerzbank, além da retirada dos cortes voluntários da Arábia Saudita, o que aumentaria a oferta em 1,5 milhão de barris ao dia no total.

Já nesta quinta, a cotação do petróleo amanheceu com perdas, amenizando posteriormente, depois de novas informações sobre a reunião da Opep+. O Brent recuava 0,5%, a US$ 63,75 dólares por barril, às 8h44 (horário de Brasília), enquanto o WTI caía 0,51%, a US$ 60,97.

A Reuters destacou nesta data a informação de que o mercado esperava que a Opep+ reduzisse os cortes em cerca de 500 mil barris por dia em abril e que a Arábia Saudita encerrasse um corte voluntário adicional de 1 milhão de barris por dia. A intenção dos sauditas, no entanto, ainda não está clara.

“Os preços recuaram à medida que duas questões relacionadas ficaram sem respostas”, disseram analistas da corretora PVM, citando dúvidas sobre o nível de produção saudita e a oferta da Opep no restante do trimestre.

Já fontes consultadas pela Bloomberg apontam que a Opep+ estaria inclinada a realizar uma elevação de produção para conter a rápida elevação dos preços de petróleo, e também refletindo expectativas de que o mercado global consiga absorver barris adicionais por estar em modo de recuperação. Em meio a informações desencontradas, a expectativa é por forte volatilidade no mercado da commodity nesta sessão.

(Com Reuters e Bloomberg)

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Chegada de Ferreira ao comando da BR Distribuidora dará “novo gás” à companhia

Com nomeação esperada para o mês de março, a BR Distribuidora (BRDT3) já afirmou que a indicação de Wilson Ferreira Junior à presidência da companhia não demandará quarentena, após o executivo ter largado o comando da estatal Eletrobras.

Petrolíferas Americanas e Europeias Divergem sobre o Futuro do Mercado de Energia

Publicado originalmente em inglês em 01/10/2020 Todas as empresas petrolíferas, desde a…

Estoque de petróleo dos EUA despenca com aumento em atividade de refino, diz AIE

Os estoques de petróleo dos Estados Unidos despencaram de forma inesperada na semana passada, recuando em mais de 6 milhões de barris.

Opep+ vive impasse sobre aumento de produção; retomará negociações na terça

Por Ahmad Ghaddar e Rania El Gamal e Olesya Astakhova LONDRES/DUBAI/MOSCOU (Reuters)…