Moagem de cana maior e produtividade menor indicam safra curta no CS, diz UNICA

Segundo a entidade que representa as empresas na principal região produtora do Brasil, isso significa que a moagem deve acabar mais cedo na temporada 2021/22

A moagem de cana do centro-sul e fabricação de açúcar e etanol cresceram na segunda quinzena de agosto, apesar de uma menor produtividade agrícola nas lavouras, atingidas por seca e geadas, apontou nesta sexta-feira a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica).

Segundo a entidade que representa as empresas na principal região produtora do Brasil, isso significa que a moagem deve acabar mais cedo na temporada 2021/22.

“A baixa produtividade e as geadas contribuíram para a aceleração da colheita, que se encontra em estágio bastante avançado em relação ao último ciclo agrícola”, disse o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, em nota.

Segundo ele, “como resultado devemos observar uma safra mais curta, com uma parcela maior de empresas encerrando o processamento industrial antes do final de outubro”.

A expectativa quanto ao tamanho da safra permanece sendo de uma queda para 530 milhões de toneladas de cana, “com viés de baixa”, resultado de uma pesquisa realizada junto aos produtores da região centro-sul.

Na segunda quinzena do mês passado, a produção de açúcar do centro-sul cresceu 0,69%, para 2,95 milhões de toneladas, com uma moagem de cana aumentando 2% para cerca de 43 milhões de toneladas.

A produção de etanol cresceu 2,4% para 2,23 bilhões de litros, com o impulso da fabricação de etanol anidro (misturado à gasolina)

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).