Não há decisão sobre pacote de socorro ao setor de etanol, afirma Waldery Rodrigues

Waldery Rodrigues – Imagem: Flickr Palácio do Planalto

O Ministério da Economia ainda não bateu o martelo sobre quais serão as medidas de socorro ao setor de etanol e quando serão anunciadas. “Medidas ligadas ao setor sucroalcooleiro estão sendo analisadas em conjunto por vários ministérios. Não tem uma decisão”, disse o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, nesta sexta (1º), durante coletiva de imprensa.

“As equipes [dos ministérios da Economia e de Minas e Energia] estão analisando essa questão. No momento apropriado o ministro Paulo Guedes e o ministro Bento Albuquerque anunciarão [a decisão]”, afirmou Waldery Rodrigues.

Pela manhã, deputado federal Arnado Jardim (Cidadania/SP) afirmou que o setor de etanol e o governo federal chegaram a um acordo para elevar a tributação sobre a gasolina, um pedido dos produtores do biocombustível para compensar a perda de competitividade do etanol.

De acordo com o Arnaldo Jardim, a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) será elevada em 20 centavos, subindo para 30 centavos por litro de gasolina A. E na importação, a taxa será de 15% sobre o combustível fóssil.

“Neste período de crise dura, crise sanitária, crise econômica, poucos setores têm sentido mais os efeitos do que o setor sucroenergético, no nosso etanol, particularmente, por isso que nós, da frente parlamentar que eu coordeno, junto com entidades do setor, tivemos muitas e intensas negociações com o governo”, afirmou Arnaldo Jardim.

O presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Evandro Gussi, disse ao Valor Econômico, que a expectativa é que a medida apareça na edição de segunda-feira do Diário Oficial da União. “Precisa ocorrer com urgência”, afirmou.

Com a queda nos preços do petróleo, repassada pela Petrobras no mercado interno – companhia já cortou os preços da gasolina em mais de 50% este ano – as margens do etanol ficam mais apertadas, já que o etanol hidratado, que concorre com a gasolina nos postos, precisa custar até 70% do valor do combustível fóssil para ser competitivo.

Fonte: EPBR

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.