Na madrugada desta segunda-feira (29), equipes de resgate conseguiram liberar o navio Ever Given, da empresa Evergreen,  seis dias depois de o veículo gigante encalhar no Canal de Suez, no Egito, paralisando uma das rotas comerciais mais importantes do mundo. A notícia foi divulgada pela empresa de serviços marítimos Inchcape e confirmada por agências internacionais como a Reuters.

Imagens nas redes sociais já mostram o navio flutuando novamente, mas não está claro quando o trajeto será reaberto ao tráfego. O acidente causou o congestionamento de mais de 450 navios. De acordo com os primeiros relatos, escavadores removeram 27.000 metros cúbicos de areia, penetrando profundamente nas margens do canal, e conseguindo liberar a proa encalhada.

O Ever Given de 400 metros (430 jardas) de comprimento ficou preso na diagonal de uma seção sul do canal com ventos fortes na manhã de terça-feira, interrompendo o tráfego de navios na rota mais curta entre a Europa e a Ásia.

Pelo menos 369 navios estavam esperando para transitar pelo canal, incluindo dezenas de navios porta-contêineres, graneleiros, petroleiros e gás natural liquefeito (GNL) ou gás liquefeito de petróleo (GLP), disse o presidente da SCA, Osama Rabie, ao Extra News do Egito no domingo.

As Agências Leth do Egito tweetaram que o navio havia sido parcialmente reflotado, enquanto se aguarda a confirmação oficial da Autoridade do Canal de Suez.

Fonte: Gazeta Brasil

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo sobem mais de U$ 2 apesar de decisão da Opep+ sobre oferta

Os preços do barril de petróleo avançaram mais de 2 dólares nesta quinta-feira, apesar da notícia de que a Opep+ chegou a um acordo para relaxar gradualmente, a partir de maio, seus cortes de produção.

Petróleo Sobe com Fantasia da Vacina, Mas Realidade do Mercado É Instável

A notícia divulgada na segunda-feira de que a vacina da Pfizer (NYSE:PFE)…

Índia diz que decisão da Opep+ sobre produção prejudica recuperação econômica

A Índia, terceira maior importadora e consumidora de petróleo do mundo, disse nesta sexta-feira que a decisão da Opep+ de estender seus cortes de produção em momento em que os preços da commodity sobem pode ameaçar a recuperação guiada pelo consumo em alguns países.