A movimentada capital argentina, Buenos Aires, ficará mais poluída com maior uso de fósseis (Imagem: Unsplash/@sandercrombach)

O governo mais à esquerda do centro político sul-americano comprou uma briga com as pequenas empresas processadoras de biocombustíveis e com os ambientalistas. E até por isso surpreendeu.

A Argentina cortou drasticamente os mandatos de misturas do biodiesel ao diesel e de etanol à gasolina, em lei que o Senado aprovou. De 10% para 5% no primeiro. E de 12% para 6% no etanol, sendo que o processado do milho pode cair para 3% se persistirem as altas puxadas pelas exportações e/ou se faltar internamente, desequilibrando os preços dos combustíveis.

Vai valer até 2030.

O argumento é o mesmo que o governo brasileiro usou para cortar para 10% o uso do biodiesel, ante o b13 como manda o cronograma. Em agosto, a mistura vai aos 12%.

Vão sobrar mais grãos para a Argentina exportar. Os reflexos poderão ser sentidos nas cotações internacionais, para produtores que já perdem 33% nas “retenciones” (imposto sobre exportações) da soja e de 12% para o milho (e trigo).

Em 2020, a produção de biodiesel foi de 1,8 bilhão de litros, a menor em uma década, segundo dados do USDA, para um consumo de 1 bilhão aproximadamente com os 10%.

Em bioetanol, a demanda exigiu 880 milhões de litros, o menor em cinco anos. Em 2019, pré-pandemia, a entrega combinada de biocombustível de cana e de milho foi pouca acima de 1 bilhão de litros.

As “rebajas” dos volumes deverão incrementar, naturalmente, o maior volume de combustíveis fósseis. Apesar de produtor razoável de petróleo, a Câmara de Empresas Pequenas e Médias Regionais Elaboradoras de Biocombutíveis (Cepreb) calcula em 500 mil barris dias a mais em importações.

Junto com mais CO² na atmosfera, a lei do governo de Alberto Fernández e aprovado pelo Congresso poderá decretar a falência de plantas de biodiesel no cinturão produtivo da província de Santa Fé.

A Cepreb não vê como empresas que produzem entre 15 e 20 mil toneladas mensais possam sobreviver.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Queda forçada do diesel é realidade distante, mesmo com pressão de caminhoneiros

Agraciados pelo presidente Jair Bolsonaro com um pacote de bondades que inclui crédito barato e melhorias de infraestrutura, os caminhoneiros ainda estão longe de atingir seu principal objetivo: reduzir na marra no preço do diesel.

Contagem de plataformas nos EUA aumenta apesar da incerteza do preço do petróleo

O número de plataformas de petróleo e gás nos Estados Unidos aumentou 5 nesta semana, de acordo com Baker Hughes , com a contagem total de plataformas de 484, 231 a mais que no mesmo período do ano passado.

BR Distribuidora ganha mais mercado, com volume de diesel resiliente em 2020

Em 2020, o volume de combustíveis comercializado no Brasil retraiu 4,7% na comparação anual como resultado das medidas de isolamento social impostas pela pandemia de Covid-19.

Preço de venda de refinaria pela Petrobras fica abaixo do esperado e já reflete receio de ingerência

O receio de interferência do governo nos preços dos combustíveis da Petrobras (PETR3;PETR4) pode levar investidores a pagar menos pelas refinarias postas à venda pela estatal.