O petróleo pode aumentar ainda mais, já que a OPEP sugere que sejam mantidos cortes na produção

Os preços do petróleo podem subir ainda mais se a OPEP + parar de adicionar barris à oferta global, o que é uma possibilidade após a próxima reunião do cartel, de acordo com o ministro do petróleo do Kuwait.

“Os mercados estão desacelerando. Como o COVID-19 começou sua quarta onda em algumas áreas, devemos ter cuidado e reconsiderar esse aumento. Pode haver uma parada no aumento de 400 mil bpd”, disse Mohammad Abdulatif al-Fares, conforme citado pela Reuters.

A OPEP + concordou em aumentar a produção de petróleo em 400.000 bpd todos os meses a partir de agosto até que a produção combinada do grupo alcançasse os níveis pré-acordo no final do próximo ano. Mas agora que as preocupações com a demanda estão mais uma vez vindo à tona, a OPEP + sinaliza que está sempre pronta para mudar de rumo.

É importante notar que os comentários do ministro do Kuwait foram feitos logo depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, pediu à OPEP + para aumentar a produção em mais de 400.000 bpd para compensar o forte aumento da demanda de combustível no maior consumidor do mundo, que levou a um forte aumento dos preços na bomba.

“Há reuniões com os países da OPEP, especialmente os países do Conselho de Cooperação do Golfo, e até agora existem diferentes pontos de vista sobre como lidar com essa questão”, disse Mohammad Abdulatif al-Fares à Reuters quando questionado sobre a ligação.

“Os mercados de energia competitivos garantirão suprimentos de energia confiáveis ​​e estáveis, e a OPEP + deve fazer mais para apoiar a recuperação”, disse o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, em um comunicado no início deste mês, em uma das primeiras ligações diretas do Biden administração na aliança OPEP +. “Os custos mais elevados da gasolina, se não forem controlados, podem prejudicar a recuperação global em curso”, acrescentou.

Diferentes opiniões sobre como responder a esta chamada, no entanto, são compreensíveis. O presidente Biden priorizou o corte de emissões e a troca de carros movidos a gasolina por elétricos, o que diminuiria a demanda por petróleo. No contexto da busca de seu governo contra a indústria de combustíveis fósseis, um apelo por mais petróleo parece um pouco confuso. No entanto, se a OPEP de fato reconsiderar seus cortes na reunião de quarta-feira, provavelmente haverá mais ligações.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).