RIO – De acordo com a atualização mais recente, em 30 de setembro, o preço médio do diesel na refinaria nacional ficou R$ 0,07/litro acima do preço no Golfo do México (EUA). O preço doméstico do diesel foi R$ 2,3022/litro (sem CIDE e PIS/COFINS) e o preço no Golfo foi de R$ 2,2308/litro. A diferença entre os preços resultou da redução de 3,8% no preço internacional do diesel e da leve redução de 0,2% na taxa de câmbio (R$/US$), dado que os preços nacionais não tiveram reajustes na semana.

Veja a o histórico dos últimos 12 meses no gráfico abaixo:

Considerando a média semanal (de 24 a 30 de setembro) dos preços, o óleo diesel nacional esteve R$ 0,04/litro acima do preço do Golfo do México (EUA).

O preço da gasolina doméstica ficou R$ 0,19/litro abaixo do preço no Golfo do México (EUA), em 30 de setembro. O resultado da defasagem deve-se ao reajuste realizado pela Petrobras em 27 de setembro, que fez o preço nacional de refinaria passar de R$ 1,7650/litro para R$ 1,8054/litro. O preço internacional da gasolina teve redução de 4,4% com relação à semana anterior (23 de setembro) e, convertido em reais, ficou em R$ 1,9921/litro (considerando frete e armazenagem).

Acompanhe a variação nos últimos 12 meses:

Na média semanal (de 24 a 30 de setembro), o preço da gasolina na refinaria nacional ficou R$ 0,25/litro abaixo do preço do Golfo do México (EUA).

(Fonte: CBIE)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petrobras reduz preço da gasolina em 8% e do diesel em 6% a partir do dia 15

Com a continuidade da queda do preço do petróleo no mercado internacional,…

73º Leilão de Biodiesel da ANP negocia 1,189 bilhão de litros

No 73º Leilão de Biodiesel da ANP foram arrematados 1.189.270.000 litros de biodiesel para atendimento à mistura obrigatória e não houve arremates para mistura voluntária.

Brasil vai produzir gasolina com mesma qualidade dos EUA e Europa

A partir de agosto, combustível seguirá novas especificações. Preço será mais caro, o que deve ser compensado por consumo menor, diz diretora da Petrobras