Imagem: Divulgação

A oferta de créditos de descarbonização (CBios) para distribuidoras de combustíveis em 2020 deverá superar a marca de 18 milhões de títulos, ficando acima da meta obrigatória de comercialização estipulada pelo programa RenovaBio, disse nesta segunda-feira a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

A entidade citou cálculos baseados no volume de etanol certificado que deve ser comercializado nas próximas semanas.

A meta estabelecida pelo RenovaBio para as compras obrigatórias pelas distribuidoras de combustíveis alcança 14,9 milhões de CBios, considerando o total de 2020 (14,5 milhões) e parte da meta de 2019.

Neste ano, o RenovaBio teve seus objetivos iniciais reduzidos pela metade pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em função dos impactos da pandemia de Covid-19 sobre o setor de distribuição de combustíveis.

A Unica informou que dados da B3 indicam que 8,6 milhões de CBios foram comprados por distribuidoras até o momento, e que há outros 6,3 milhões de títulos disponíveis no mercado.

“O fato de o RenovaBio estar sendo bem-sucedido em um ano como este comprova o comprometimento dos produtores de biocombustíveis e do governo federal com a descarbonização e o combate às mudanças climáticas”, disse em comunicado o presidente da Unica, Evandro Gussi.

Ele também elogiou a readequação das metas anuais, citando a “nova realidade trazida pela pandemia”.

No último dia 19, quando o RenovaBio chegou à marca de 15 milhões de créditos validados, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) apontava que as compras pelas partes obrigadas a cumprir metas individuais chegava a 8,3 milhões de CBios.

O programa, que visa contemplar parte das metas de redução de gases de efeito estufa estipuladas para o Brasil pelo Acordo de Paris, esteve no centro de questionamentos jurídicos recentemente.

Distribuidoras de combustíveis foram à Justiça para cumprir neste ano apenas metade das metas já reduzidas ou 25% do total planejado no início de 2020, alegando uma disparada nos preços dos créditos e o represamento de vendas pelos produtores.

As companhias chegaram a obter uma liminar, que posteriormente foi cassada pela ANP.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços do petróleo caem com aumento no número de casos de Covid-19

Preocupação dos investidores é que o avanço do coronavírus afete a demanda global por combustíveis.

Petrobras lança Fatos e Dados sobre diesel para explicar política de preço

A Petrobras (SA:PETR4) saiu em defesa da sua política de preços em relação ao diesel, combustível que está no topo das insatisfações dos caminhoneiros com o governo Jair Bolsonaro, e listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação.

Home office pós-coronavírus pode reduzir consumo de combustíveis: qual o impacto para a Petrobras?

Analistas do Bradesco BBI fizeram um teste de estresse mostrando os impactos nas empresas caso ocorra um grande aumento do trabalho remoto

Unica vê fracas compras de CBios; IBP fala em vendas represadas e flexibilização

O número de créditos de descarbonização (CBios) gerados pelos produtores de biocombustíveis…