Por Alex Lawler e Rania El Gamal e Vladimir Soldatkin

LONDRES/DUBAI/MOSCOU(Reuters) – A Opep+ concordou nesta quinta-feira em diminuir gradualmente seus cortes na produção de petróleo a partir de maio, depois que o novo governo dos EUA pediu à Arábia Saudita para que mantenha preços da energia em níveis acessíveis, espelhando prática de Donald Trump.

O grupo, que vem implementando cortes profundos desde a queda dos preços do petróleo em 2020, concordou em reduzir os cortes de produção em 350 mil barris por dia (bpd) em maio, outros 350 mil bpd em junho e mais 400 mil bpd em julho.

O ministro do petróleo do Irã, Bijan Zanganeh, confirmou os números acordados durante as negociações, dizendo que o grupo deverá aumentar a produção em um total de 1,1 milhão de bpd até julho.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Príncipe Abdulaziz Bin Salman, disse em entrevista coletiva após as negociações que a decisão de quinta-feira não foi influenciada por nenhuma conversa com autoridades norte-americanas.

Não ficou imediatamente claro se a Arábia Saudita abrandaria seus próprios cortes voluntários de 1 milhão de bpd, que vem implementando além das reduções sob o acordo Opep+. Uma fonte disse que Riyadh continua revisando sua posição.

Segundo o acordo desta quinta-feira, os cortes de petróleo implementados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo, Rússia e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, ficariam um pouco acima de 6,5 milhões de bpd a partir de maio, em comparação com as restrições existentes ligeiramente abaixo de 7 milhões de bpd em abril.

O petróleo Brent, que caiu com a notícia do negócio, ainda era negociado acima de 63 dólares o barril, ainda mais de 20% acima do início do ano e não muito longe da máxima deste ano, em torno de 71 dólares.

(Por Alex Lawler e Ahmad Ghaddar em Londres, Rania El Gamal em Dubai, Olesya Astakhova e Vladimir Soldatkin em Moscou)

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Nova variante do coronavírus afeta perspectiva para petróleo em 2021

Os preços do petróleo não devem apresentar grande recuperação em 2021, já…

CNPE confirma redução de meta do RenovaBio em 2020 para 14,53 milhões de CBios

Resolução assinada pelo Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, foi publicada em Diário Oficial após aprovação presidencial

Alteração de PMPF e impacto sobre os preços dos combustíveis. 01/10/2020

O CONFAZ divulgou o ATO COTEPE Nº 28 do ano de 2020 que altera o Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final.

Goldman vê pico de demanda por petróleo em transporte em 2026

O Goldman Sachs entra para a lista de empresas que agora veem o pico da demanda por petróleo mais perto.