OPEP + Conformidade com cortes de petróleo cai para 109% em julho

O grupo OPEP + viu sua conformidade geral com os cortes de produção em 109 por cento em julho, ante 113 por cento em junho, Argus relatou na quinta-feira, citando um relatório interno destinado ao Comitê Técnico Conjunto (JTC) da aliança.

O declínio nos níveis gerais de conformidade foi principalmente o resultado do líder e principal produtor da OPEP, a Arábia Saudita, desenrolando os últimos 400.000 barris por dia (bpd) parte de seu corte extra unilateral de 1 milhão de bpd implementado entre fevereiro e abril.

Em junho, a conformidade geral do grupo OPEP + com os ajustes de produção de petróleo ficou em 113 por cento, incluindo o México, disse a OPEP após a reunião do mês passado.

Na reunião de julho, depois de deixar o mercado suspenso por duas semanas, a OPEP + finalmente chegou a um acordo para desfazer os cortes restantes e permitir, a partir de maio de 2022, os Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos), Arábia Saudita, Rússia, Iraque e Kuwait ter níveis de produção de referência mais elevados.

Em julho, o cumprimento do pacto entre membros da OPEP e não membros da OPEP era de 116% para a OPEP e de 97% para os não-OPEP liderados pela Rússia, de acordo com o relatório do JTC visto pela Argus.

O cumprimento da OPEP caiu de 120 por cento em junho, enquanto a taxa de cumprimento não-OPEP ficou estável mês a mês.

A produção média de petróleo bruto da OPEP foi de 26,657 milhões de bpd em julho de 2021,

um aumento de 637.000 bpd em relação a junho, mostrou o relatório Mensal do Mercado de Petróleo do cartel na semana passada. A maior parte do aumento deveu-se à maior produção na Arábia Saudita, Iraque e Nigéria, enquanto a produção caiu em Angola e Venezuela, segundo fontes secundárias da Opep. A Arábia Saudita aumentou sua produção em massivos 497.000 bpd para 9,403 milhões de bpd em julho, enquanto o Reino restaurava todo o corte unilateral de 1 milhão de bpd.

A Rússia, o líder do grupo não-OPEP na aliança OPEP +, viu sua produção de petróleo aumentar pela primeira vez em três meses em julho, enquanto a OPEP + continuava a aliviar os cortes de produção e a manutenção planejada em alguns campos de petróleo russos terminados.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).