(Imagem: REUTERS/Ramzi Boudina)

Por Gleb Stolyarov e Alex Lawler e Ahmad Ghaddar

MOSCOU/LONDRES (Reuters) – A Opep+ está preparando uma ampla reunião técnica para a próxima semana, embora mudanças significativas na política de produção do grupo sejam improváveis, disseram o primeiro-ministro russo e fontes da Opep+.

O premiê Alexander Novak disse na quarta-feira que o grupo pode confirmar ou ajustar seus planos de produção após decisão recente de reduzir seus cortes de oferta.

“Nós nos reunimos há um mês, nós discutimos nosso plano de ação para os próximos três meses, então nossa tarefa será confirmar esses planos e ajustar os novos”, disse Novak a jornalistas.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados liderados pela Rússia, conhecidos em conjunto como Opep+, surpreenderam o mercado em sua reunião de 1° de abril, quando chegaram a acordo para reduzir gradualmente suas restrições de oferta.

Eles acertaram reduzir os cortes, de cerca de 7 milhões de bpd, em cerca de 350 mil bpd em maio e mais 350 mil bpd em junho, além de 400 mil bpd adicionais em julho.

Além disso, a Arábia Saudita disse que encerrará seus cortes voluntários de oferta em julho, um movimento que acrescentará 1 milhão de bpd em oferta.

Duas fontes da Opep+ disseram que não esperam mudanças ao acordo atual na próxima reunião.

“Acredito que o próximo encontro estará apenas monitorando o mercado”, disse uma das fontes.

Novak, da Rússia, disse também que o governo do país deve discutir possíveis restrições a exportações de gasolina para proteger o mercado doméstico.

Refinarias russas produzem cerca de 40 milhões de toneladas de gasolina por ano, sendo que cerca de 10% disso é exportado.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Silva e Luna lidará com alta no diesel já em maio

Indicado para comandar a Petrobras, em meio às insatisfações do presidente Jair Bolsonaro sobre os preços dos combustíveis, o general da reserva, Joaquim Silva e Luna, deve assumir a estatal no meio de uma “tempestade perfeita”, que pode deixar o diesel mais caro nas bombas, logo no início de sua gestão.

Ipiranga puxa resultado do 4º tri da Ultrapar para baixo e ações caem 7,5%: há sinais de dias melhores para companhia?

Entre as que divulgaram os seus números do quarto trimestre de 2020 entre a noite da última quarta-feira (24) e a manhã desta quinta (25), a Ultrapar (UGPA3, R$ 19,68, -7,52%)foi uma das empresas decepcionou os investidores.

Comercialização de CBIOS para distribuidoras aumenta com publicação das metas

Postado em 17 de Setembro de 2020 Nos primeiros 15 dias de…

Racha na ANP expõe lobby de distribuidoras contra queda de preços dos combustíveis

No momento em que o presidente Jair Bolsonaro intervém na Petrobras pela redução do preço de combustíveis, um processo que poderia reduzir em até R$ 0,50 o preço do litro da gasolina nas bombas encontra-se parado na ANP (Agência Nacional do Petróleo) há mais de um ano.