Opep+ monitora nova variante da Covid-19, com receios sobre perspectiva, dizem fontes

LONDRES/MOSCOU (Reuters) – A Opep+ está monitorando os desenvolvimentos em torno da nova variante do coronavírus, disseram fontes nesta sexta-feira, com alguns expressando preocupação de que isso possa piorar as perspectivas do mercado de petróleo menos de uma semana antes de uma reunião para definir política.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, conhecida como Opep+, já enfrenta uma liberação de estoques liderada pelos Estados Unidos para tentar aliviar os preços. Ainda assim, uma fonte disse que a Rússia, um importante membro da Opep+, ainda não estava preocupada com a variante do vírus.

A Opep+ resistiu aos apelos dos EUA para se empenhar para reduzir os preços do petróleo, continuando a desacelerar as restrições de produção recorde do ano passado, adicionando 400 mil barris de oferta por dia todos os meses desde agosto. A reunião da próxima semana discutirá a produção de janeiro.

As autoridades globais reagiram com alarme às notícias da variante B.1.1.529, com a UE, o Reino Unido e a Índia entre os que anunciaram controles de fronteira mais rígidos. O petróleo despencou mais de 10%, a maior queda em um dia desde abril de 2020.[O/R]

“Não é bom, pois adiciona baixa a uma perspectiva já fraca”, disse um delegado da Opep sobre a nova variante, pedindo para não ser identificado. Outro disse que esse poderia ser o caso, embora fosse muito cedo para dizer.

A Opep+ se reúne em 2 de dezembro para decidir a política de produção. Outra fonte disse que o grupo avaliará a importância da variante para o mercado.

Petróleo tem pior semana desde março, com WTI abaixo de US$ 90

Os touros do petróleo costumavam sorrir para o mercado de trabalho dos EUA com orgulho. Agora, eles não têm mais tanta certeza se deveriam.

Medos de recessão tomam conta dos mercados de petróleo

Os preços do petróleo estão de volta aos níveis em que estavam antes de a Rússia invadir a Ucrânia, destacando que uma recessão global e a destruição da demanda são agora o foco central dos comerciantes.

Petróleo cai cerca de 7% na semana e preço negociado volta a ser o mesmo de fevereiro

Brent e WTI operam em alta moderada, rompendo o fechamento negativo de dois pregões consecutivos. Mas a recuperação de hoje, no patamar de 1% para ambas as referências, não chega perto do acumulado de perdas da semana, que somam cerca de 7%.