Os sumidouros de petróleo em sinais alimentados podem em breve acabar com o estímulo

O West Texas Intermediate despencou para US $ 63 por barril depois que notícias sugeriram que o Federal Reserve está prestes a encerrar seu programa de compra de títulos que manteve a economia durante o pior da crise pandêmica.

CNBC relatado na quarta-feira que mais e mais funcionários do Fed estão apoiando o fim do estímulo, e a redução gradual pode começar no mês que vem. O relatório observou que a incerteza ainda permanecia elevada por causa do ressurgimento do coronavírus, mas os preços do petróleo reagiram imediatamente.

O banco central tem comprado títulos corporativos no valor de US $ 120 bilhões mensais para sustentar os mercados de commodities e ações. A tática funcionou, como tende a funcionar, e à medida que a economia voltava a crescer – e forte crescimento, ainda por cima – a grande questão agora era quando começar a desacelerar essas compras de títulos. De acordo com a ata da última reunião do Fed no mês passado, o momento parece propício.

Mesmo assim, sem o colchão mensal de US $ 120 bilhões, as commodities seriam deixadas para as forças do mercado, o que explica a queda no WTI, pelo menos em parte. No entanto, o benchmark e seu primo internacional Brent também sofreram os efeitos da preocupação contínua e aparentemente cada vez maior sobre o curso da última onda de infecções por Covid-19. Mesmo um inventário petróleo bruto desenhar de 3,2 milhões de barris não poderia mover os preços mais elevados para mais do que algumas horas.

A situação com o coronavírus é especialmente preocupante na Ásia, onde está interrompendo as cadeias de suprimentos que se estendem por todo o mundo. De acordo com um relatório da Bloomberg do início desta semana, essas interrupções afetariam inevitavelmente os preços do petróleo e já os estão afetando.

No início deste mês, a China fechou parcialmente um de seus maiores portos e maior pólo de petróleo, sinalizando que as importações de petróleo mais fracas estão nos planos. Alguns analistas alertaram que mais fechamentos de portas também podem estar a caminho. Mesmo que não haja nenhuma, a interrupção da atividade manufatureira na principal região exportadora do mundo já é motivo de preocupação quando se trata dos preços do petróleo. A preocupação só pode crescer à luz das contagens de casos nos Estados Unidos, que mais uma vez estão em forte ascensão.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).