© Petrobras

A percepção de risco da Petrobras (PETR3;PETR4) continuará elevada até a transição do comando na empresa, afirmou a XP Investimentos. A corretora reforçou a recomendação de venda para as ações (ordinárias e preferenciais), com preço-alvo de 12 meses de R$ 24, após quatro membros da diretoria executiva comunicarem que deixarão a companhia por discordância com os planos do próximo presidente, general Joaquim Luna e Silva.

Um dos motivos do desacordo entre os executivos e o novo CEO seria a política de preços da estatal.

Ontem, a Petrobras anunciou uma redução nos preços do litro da gasolina e do diesel nas refinarias. Embora considere positivo que os preços dos combustíveis praticados pela estatal continuem em níveis próximos à paridade de importação, a XP notou que o alinhamento tem ocorrido somente nos últimos 15 dias. Os preços dos combustíveis ainda ficaram abaixo da paridade de importação nos últimos cinco meses.

Gabriel Francisco e Maira Maldonado, analistas de Energia e Petróleo & Gás da corretora, destacaram que o retorno dos preços à paridade de importação não aconteceu por conta dos reajustes praticados pela Petrobras. Foi, na realidade, um reflexo da queda recente dos preços do petróleo (o petróleo tipo Brent caiu 7,7% nos últimos 15 dias) e de uma apreciação do real (a moeda brasileira subiu 3,3% em relação ao dólar desde 10 de março).

Para a XP, a implementação do reajuste após os preços dos combustíveis terem retornado à paridade não está alinhada com a declaração da Petrobras de que vai manter os preços em linha com as referências internacionais em um prazo mais longo, mas visa compensar os períodos potenciais de preços abaixo do internacional em períodos subsequentes.

Segundo os analistas, a percepção de risco para a política de preços da Petrobras pode aumentar em um cenário de preços de petróleo mais altos.

“A companhia implementa reduções de preços em uma velocidade mais rápida do que no caso dos aumentos. Isso por sua vez pode acarretar uma correlação menor da performance das ações com os preços de petróleo e petroleiras globais em ciclos positivos para a commodity”, explicaram.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Preços nos postos: Em alta, etanol perde competitividade em relação à gasolina

Enquanto o renovável subiu 2,05% nas bombas, o fóssil caiu 0,05%; com isso, a relação entre os preços subiu de 68,3% para 69,7%

Importação de petróleo pela China cresce em setembro após alívio de congestionamento em portos

As importações de petróleo bruto pela China aumentaram 2,1% em setembro em relação ao mês anterior, já que…

Os Futuros do Petróleo subiram durante a sessão dos Estados Unidos

Na Bolsa Mercantil de Nova York, Os Futuros do Petróleo em Março foram negociados na entrega a US$ 53,50 por barril no momento da escrita, subindo 2,49%.

Raízen pode levantar até R$ 13 bilhões em IPO

A Raízen, joint venture entre a Cosan e a Royal Dutch Shell, escolheu os bancos de investimento do BTG Pactual, Bank of America, Citi e Credit Suisse como coordenadores de seu IPO (oferta pública inicial de ações, na sigla em inglês).