Petrobras deverá trabalhar com reajustes de preços mais espaçados, diz diretora

A Petrobras deverá trabalhar com reajustes dos preços de combustíveis mais espaçados, afirmou à Reuters nesta quinta-feira (13) a diretora executiva de Refino e Gás Natural, Anelise Lara, que ressaltou acreditar que a sociedade brasileira já entende melhor a política de preços da petroleira estatal.

A afirmação vem após a companhia ter anunciado na véspera uma revisão em suas regras sobre periodicidade das mudanças das cotações. A partir de agora, os reajustes de preços de diesel e gasolina serão realizados sem periodicidade definida.

Segundo a empresa, as alterações ocorrerão de acordo com as condições de mercado e da análise do ambiente externo, possibilitando a companhia competir de maneira mais eficiente e flexível.

“A ideia é não ter periodicidade. Já aprendemos que reajustes diários são ruins. Então vamos trabalhar com reajustes mais espaçados, mas não necessariamente a cada 15 dias”, disse a diretora, em uma conversa por telefone.

Em março, em meio a altas do preço do diesel no mercado internacional e ameaças de uma nova greve dos caminhoneiros, a Petrobras havia criado uma regra que impedia que o combustível fóssil fosse alterado nas refinarias em intervalos inferiores a 15 dias.

A revisão da política ocorre, agora, em meio a uma queda nos preços do petróleo e a um real mais forte frente ao dólar, fatores que interferem na decisão da Petrobras. Após anunciá-la a empresa reduziu em 4,6% o preço do diesel.

Questionada se a política de preços poderá mudar de novo se o barril do petróleo voltar a subir, Anelise Lara afirmou: “Não acredito. Acho que a sociedade também já entende melhor essa política de preços”.

Fonte: G1 Economia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Petróleo tem pior semana desde março, com WTI abaixo de US$ 90

Os touros do petróleo costumavam sorrir para o mercado de trabalho dos EUA com orgulho. Agora, eles não têm mais tanta certeza se deveriam.

Medos de recessão tomam conta dos mercados de petróleo

Os preços do petróleo estão de volta aos níveis em que estavam antes de a Rússia invadir a Ucrânia, destacando que uma recessão global e a destruição da demanda são agora o foco central dos comerciantes.

Petróleo cai cerca de 7% na semana e preço negociado volta a ser o mesmo de fevereiro

Brent e WTI operam em alta moderada, rompendo o fechamento negativo de dois pregões consecutivos. Mas a recuperação de hoje, no patamar de 1% para ambas as referências, não chega perto do acumulado de perdas da semana, que somam cerca de 7%.