(Imagem: Gustavo Kahil/Money Times)

Um levantamento realizado pela Ativa Investimentos mostra que a Petrobras (PETR3; PETR4) está atrasando um aumento de 13% da gasolina.

Segundo Guilherme Sousa, economista da Ativa, o valor foi encontrado com o uso do modelo desenvolvido por ele e que considera a defasagem dos preços internos em relação ao internacional.

E isso acontece mesmo com a recente apreciação do real em relação ao dólar.

“Contudo, vale destacar que o potencial elevação de reajuste já se mantém a bastante tempo e, ao que tudo indica, a Petrobras tem aguardado um pouco mais de tempo antes de mitigar o diferencial de preços”, explica.

A Petrobras divulga o seu balanço do 1º trimestre no próximo dia 13 de maio, após o fechamento dos mercados. Um posicionamento mais claro sobre o posicionamento do novo CEO será fundamental para o desempenho das ações.

Fonte: Money Times

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Unica vê menor número de usinas de cana operando em março; venda de etanol cai

A moagem de cana do centro-sul do Brasil na safra 2021/22 deve começar somente no final de março, com um maior número de unidades iniciando os trabalhos somente em abril.

Etanol: altas seguidas e cautela com restrições contra covid podem desacelerar os preços

É bem possível que a cadeia do etanol hidratado tenha sentido algum recuo nas vendas com a escalada seguida dos preços ou tenha ficado mais cautelosa com novos anúncios de restrições impostas por governadores e prefeitos.

Etanol poderá subir quase 5% nos postos

Se o aumento da gasolina A (pura) que a Petrobras aplicará a partir de hoje nas refinarias for repassado integralmente aos preços da gasolina C (com mistura de etanol anidro) nas bombas, os preços do combustível fóssil e de seu competidor renovável, o etanol hidratado, deverão subir quase 5%, segundo a FG/A.

Fecombustíveis critica alta da gasolina e sugere zerar PIS/Confins do etanol

Aumento viria também em um momento inoportuno para a revenda de combustíveis, que também está em crise