Petrobras exporta recorde de petróleo em abril apesar da crise de demanda global

Plataforma FPSO, localizada no litoral de Marataízes, no Sul do ES — Foto: Petrobras/Valter Monteiro

A Petrobras exportou recorde de 1 milhão de barris por dia de petróleo em abril, alta de 145% ante mesmo mês de 2019, à medida que seu produto, com baixo teor de enxofre, tem mantido a valorização apesar de uma crise do setor petrolífero.

A expectativa da estatal é manter a boa performance em função da retomada da demanda da China e de ações para desenvolver novos mercados para seus produtos, informou a companhia em mercado em comunicado nesta segunda-feira.

O recorde anterior era de 771 mil barris por dia, alcançado em dezembro de 2019.

O novo recorde ocorre em período desafiador da economia mundial, com grande redução dos preços e da demanda global por petróleo e derivados, ocasionada pelo surto do novo coronavírus.

A Petrobras frisou que, diante de forte contração do mercado nacional, está direcionando esforços para exportação de sua produção, após atendimento à demanda interna.

Questionada pelo G1 sobre quanto essas exportações representaram em dólares ou reais, a empresas não respondeu até a última atualização desta reportagem.

No primeiro quadrimestre de 2020 a China foi o principal destino das vendas, absorvendo 60% do petróleo exportado pela estatal. Além do gigante asiático, a Petrobras usualmente comercializa petróleo para os mercados norte-americano, europeu, indiano e outros destinos na Ásia.

“Estamos atentos aos movimentos internacionais e acessando todos os mercados. Nosso petróleo, de baixo teor de enxofre, mantém sua valorização no mercado internacional em função das especificações do IMO 2020”, afirmou no comunicado a diretora executiva de Refino e Gás Natural da Petrobras, Anelise Lara.

Novas regras da Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla em inglês) passaram a exigir neste ano menor teor de enxofre para o combustível naval (bunker), o que pode ser obtido a menor custo com uso do petróleo do pré-sal.

“Estamos direcionando nossos esforços para exportação de petróleo e derivados através de uma série de ações logísticas, que possibilitam a expansão da nossa capacidade”, disse Lara.

“Esperamos continuar com uma boa performance das nossas exportações, em função da retomada da demanda da China em conjunto com ações para desenvolver novos mercados para nossos produtos.”

O crescimento acompanha tendência observada no primeiro trimestre de 2020, quando as exportações tiveram aumento de 25% em relação ao trimestre anterior.

Ao publicar o resultado da produção dos primeiros três meses do ano, na semana passada, a Petrobras informou que reviu um corte de produção anteriormente previsto para abril, após verificar uma demanda melhor do que a esperada por seus produtos, especialmente os exportados.

Os preços internacionais do petróleo acumulam quedas de mais de 60% desde o início do ano, com o barril do tipo Brent recuando para um patamar ao redor de US$ 25.

Fonte: G1

Etanol segue assombrado por Petrobras (PETR4) desidratar mais a gasolina, após o diesel

O etanol hidratado foi poupado no final da semana passada, quando a Petrobras (PETR4) apenas diminui o preço do diesel. Mas seguiu e segue assombrado pela possibilidade real de que a estatal reduza a gasolina também.

Goldman Sachs reduz projeções para petróleo no curto prazo, mas segue vendo preços acima de US$ 100 o barril

Os preços do petróleo brent tiveram queda de 25% desde o início de junho, fechando a última sexta-feira (5) na casa dos US$ 94 o barril, sendo puxados recentemente por uma crescente gama de preocupações: recessão, política de Covid-zero da China e setor imobiliário, liberação de reservas estratégicas dos EUA e produção russa se recuperando bem acima das expectativas.

ANP rejeita aumento de estoques mínimos de diesel, em alívio para distribuidoras

A diretoria da ANP rejeitou nesta sexta-feira, 5, uma proposta de aumento de estoques mínimos de diesel A (puro) S10 entre setembro e novembro para mitigar riscos de desabastecimento em meio à oferta global apertada do combustível, mas aprovou um reforço do monitoramento do suprimento nacional.