Petrobras (PETR4) bate metas de produção de 2021 e revisa as deste ano

Petrobras (PETR3PETR4) confirmou nesta sexta-feira (14) que atingiu suas metas de produção de 2021. A empresa ainda revisou as metas para este ano.

Em 2021, a companhia alcançou as marcas de 2,22 milhões de barris por dia de óleo e LGN, 2,46 milhões boe por dia (MMboed) de óleo, LGN e gás comercial e 2,77 MMboed de óleo e gás total.

Segundo a Petrobras, a produção no pré-sal foi um dos destaques de 2021. A produção própria no pré-sal, que totalizou 1,95 MMboed, representou 70% da produção total da Petrobras.

Além disso, a companhia iniciou a produção do FPSO Carioca, primeira plataforma no campo de Sépia, no pré-sal da Bacia de Santos.

Outro destaque do ano passado, de acordo com a companhia, foi a conclusão da venda da totalidade de sua participação nos campos marítimos de Frade, na Bacia de Campos, e Lapa, no pré-sal da Bacia de Santos, e nos campos terrestres de Dó-Ré-Mi e Rabo Branco, no Sergipe.

A estatal também cita os polos terrestres Rio Ventura, Miranga e Remanso, na Bahia, e Cricaré, no Espírito Santo, como destaque.

Metas para 2022

Em processo de revisão da meta de produção de óleo e gás para o ano de 2022, a Petrobras anunciou que terá uma redução no valor de 70 Mboed para a produção total de óleo e gás, e a alteração da faixa de 2,7 MMboed para 2,6 MMboed com variação de 4% para mais ou para menos.

A produção de óleo e produção comercial tiveram um impacto de cerca de 60 Mboed, mas permaneceram com as mesmas faixas, respectivamente, 2,1 MMbpd e 2,3 MMboed, com variação de 4% para mais ou para menos.

Com relação aos investimentos de 2022, a companhia informou que está mantida a previsão divulgada de US$ 11 bilhões.

Petróleo Brent cai 0,09% nesta quinta-feira, após bater US$ 90 pela 1ª vez desde 2014

O barril do petróleo Brent, com contrato para março deste ano, fechou esta quinta-feira (27) em queda de 0,09%, cotado a US$ 89,88, segundo dados preliminares.

Gasolina defasada em R$ 0,29 age diretamente contra o hidratado, já mais caro do que deveria

O petróleo mantendo-se em volta dos US$ 89 o barril já alarga a defasagem dos preços da gasolina e do diesel, enquanto comprime mais a competitividade do etanol hidratado.

O que é o fundo de equalização dos combustíveis, defendido por governadores como alternativa ao ICMS

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) aprovou nesta quinta-feira (27) o congelamento do valor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado nas vendas de combustíveis por mais 60 dias, até 31 de março. A decisão foi unânime, com voto favorável dos 27 secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal.