Petrobras (PETR4) tem duas refinarias em processo avançado de venda, diz Silva e Luna

Com as vendas, o presidente da Petrobras entende que haverá mais investidores, investimentos, competidores e menores preços dos combustíveis

SÃO PAULO – Das 13 refinarias em posse da Petrobras (PETR3;PETR4), oito estão com processo de venda, das quais duas em estágio avançado de conclusão, enquanto três parques de refino tiveram ofertas baixas de compra, disse hoje o presidente da estatal, o general Joaquim Silva e Luna.

“Com isso [as vendas] teremos mais investidores, mais investimentos, maior competição, maior oferta de combustíveis e menores preços”, destacou ele, durante audiência da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

A venda de refinarias da Petrobras foi definida após um acordo firmado pela estatal com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), com aval do STF (Supremo Tribunal Federal) e pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

O prazo acordado para venda era o fim deste ano. Mas, segundo Silva e Luna, ele não poderá ser cumprido por conta da baixa oferta dos três parques.

Leilão de excedentes de petróleo

Enquanto isso, no dia 17 de dezembro, a Petrobras realizará o leilão de excedentes de petróleo e gás de áreas da chamada cessão onerosa (excedente do volume de petróleo e gás que a União cedeu à Petrobras), que oferecerá a investidores os campos de Sépia e Atapu.

Segundo Silva e Luna, há 11 empresas interessadas de diversos países. “Temos hoje 11 empresas das maiores do mundo querendo participar do leilão”, segundo ele. Concorrem empresas da França, Holanda, Catar, Malásia, Portugal, Colômbia e Brasil.

A Petrobras trabalha, conforme ele, para que haja mais investidores no setor no país e, ao invés de ser problema para a autossuficiência do Brasil [em combustíveis], passa ser uma oportunidade para aqueles que queiram investir no Brasil, afirma o presidente da Petrobras, Silva e Luna.

Ele ressaltou que não existe monopólio no setor desde 1997. E que o monopólio terminou, de fato, na parte de produção e exploração. “Hoje temos 86 empresas explorando e produzindo petróleo no Brasil”, afirmou Silva e Luna. Mas o refino é restrito a poucas refinarias.

Crítica a imposto sobre exportação e defesa do fundo de estabilização

No mais, Silva e Luna criticou a criação de imposto sobre exportação de petróleo cru, como maneira de capitalizar um fundo de equalização de preços dos combustíveis no Brasil. A proposta está sendo debatida no Senado após a alta dos preços de combustíveis no país.

“Qualquer taxação e ação que fira a lei de mercado vai de encontro à nossa legislação”, afirmou.
Por outro lado, o presidente da estatal defendeu o fundo de estabilização para combustíveis com lucro da Petrobras.

“É um tema que cabe ao Congresso e ao Ministério da Economia. Mas é uma solução interessante nesse momento. Vai atender a uma parte da população mais carente”, destacou.

Produção de etanol anidro cresce 22,3% no Nordeste, diz NovaBio

Com a safra 2021/22 em andamento, dados compilados pela Associação dos Produtores de Açúcar, Etanol e Bioenergia (NovaBio) sinalizam que a moagem de cana no Norte-Nordeste atingiu 28,67 milhões de toneladas no acumulado até 15 de novembro.

Valor do petróleo cai 2% e Petrobras ganha espaço para cortar preços no Brasil

O preço do barril de petróleo tipo brent atingiu os US$ 67,44 nesta quinta-feira, 2, o que representa uma queda de 2,08% em relação aos valores praticados na data anterior.

Abastecer com GNV rende quase o dobro que gasolina e etanol, aponta Abegás

Um levantamento da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) mostra que, atualmente, o Gás Natural Veicular (GNV) tem rendido quase o dobro da gasolina e do etanol.