Caminhão-tanque em refinaria da Petrobras em Canoas (RS) 02/05/2019 REUTERS/Diego Vara

A Petrobras pode se desfazer de parte da BR Distribuidora. Ao menos esta é a vontade do atual CEO da petroleira, Joaquim Silva e Luna, bem como do também atual presidente da companhia de distribuição, Wilson Ferreira Junior.

Eles vão se encontrar para tratar do assunto e a BR passará por uma transição, migrando do atual modelo de negócio para uma economia de baixa emissão de carbono. Trata-se da maior distribuidora de combustíveis do país, com uma rede de mais de 8 mil postos de combustível e um público de interesse que reúne oito mil revendedores, sete mil grandes clientes e um total de 30 milhões consumidores.

Outro ponto a cargo de Ferreira Jr é a consolidação da privatização da distribuidora, cujo trâmite iniciou em 2019 após a Petrobras vender 30% do capital da BR. Atualmente, a estatal ainda detém 37,5% do capital da distribuidora, fatia que a valor de mercado equivale a cerca de R$ 10 bilhões.

De acordo com o Valor Econômico, Ferreira Jr pretende anunciar um “pacote de medidas” em 11 de maio, quando divulgar o balanço contábil da companhia. O executivo quer transformar a empresa em referência em termos de práticas de ESG (agenda ambiental, social e de governança corporativa).

Fonte: BiodieselBR

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Etanol mira o petróleo para tirar competitividade da gasolina e não sofrer pressão

Com o petróleo em queda na quinta-feira, a gasolina manteve uma moderada defasagem na refinaria.

73º Leilão de Biodiesel da ANP negocia 1,189 bilhão de litros

No 73º Leilão de Biodiesel da ANP foram arrematados 1.189.270.000 litros de biodiesel para atendimento à mistura obrigatória e não houve arremates para mistura voluntária.

Preços da gasolina e do diesel têm 10ª semana de alta nos postos, diz ANP

Litro da gasolina foi comercializado por R$ 4,203 nos postos, com avanço semanal de 0,67%, de acordo com a agência.

Combustíveis em alta: Etanol aumenta mais que gasolina e aperta competitividade

Enquanto o preço do renovável subiu 0,66%, o do correspondente fóssil elevou 0,21%; relação entre os combustíveis aumentou para 66%