Refinaria da Petrobras em Paulínia (SP) — Foto: Paulo Whitaker/Reuters

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) -A Petrobras (SA:PETR4) lançou nesta segunda-feira um programa que prevê investimentos de aproximadamente 300 milhões de dólares até 2025 para aumentar a eficiência e o desempenho de suas cinco refinarias no eixo Rio-São Paulo, que não estão à venda.

O objetivo, segundo a petroleira, é “estar entre as melhores companhias refinadoras de petróleo no mundo”, a partir de um conjunto de iniciativas que buscam posicionar a Petrobras de forma mais competitiva na abertura do mercado de refino de petróleo no país.

“A companhia avaliou referências mundiais dos principais indicadores de refino para definir os objetivos do programa”, afirmou a empresa, em comunicado à imprensa.

A estatal colocou à venda oito de suas refinarias, ou metade de sua capacidade de refino, decidindo ficar apenas com as unidades nos Estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, próximas às suas prolíficas áreas do pré-sal, onde têm apostado suas principais fichas.

Chamado de RefTOP, o programa prevê iniciativas para o incremento do desempenho energético das unidades –Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), Refinaria Duque de Caxias (Reduc), Refinaria de Capuava (Recap), Refinaria de Paulinia (Replan) e Refinaria Henrique Lage (Revap)–, aproveitando melhor os insumos como gás natural, energia elétrica e vapor nas próprias operações.

“O programa promoverá o uso intensivo de tecnologias digitais, automação e robotização nas refinarias da Petrobras”, destacou.

A petroleira citou como um dos exemplos de tecnologias digitais que já vêm sendo adotadas pela companhia, e que terá uso ampliado com o RefTOP, os Digital Twins –representações digitais das instalações operacionais– para monitoramento em tempo real, redução de falhas e facilitação na tomada de decisões.

Outro direcionador importante do programa é o aumento da produção de derivados de alto valor agregado, como diesel e propeno –matéria-prima da indústria petroquímica para a produção de embalagens e peças para automóveis, por exemplo.

A companhia vai ainda alavancar o processamento de petróleo do pré-sal, que tem baixo teor de enxofre, trazendo vantagens competitivas e oportunidades de aumento da margem de refino, favorecendo a produção de diesel S-10 e “bunker” (combustível para navios), afirmou a empresa.

Os investimentos do programa, segundo a empresa, já estão incluídos nos 3,7 bilhões de dólares que a Petrobras prevê para a área de refino no Plano Estratégico 2021-2025.

(Por Luciano Costa e Marta Nogueira; edição de Roberto Samora)

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Cenário de vendas mais fracas das fábricas não inibe alta do etanol nos portões

Mesmo que possa ter havido consumo maior de etanol na segunda quinzena de janeiro, contra a primeira, melhorando as vendas das produtoras que vinham menores, deverá ser comedido quando saírem os dados da agência reguladora. Junta-se sazonalidade mensal de baixa e pandemia.

Política de preços da Petrobras deve mudar, avaliam especialistas

Pelo menos um dado parece estar menos nebuloso na nova gestão da Petrobras, assinalou Cesar Bergo, presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon-DF). “A política de preços dos combustíveis deve mudar para o que era antes de (Roberto) Castello Branco (ex-presidente da estatal). Ou seja, as oscilações não serão sentidas imediatamente. A metodologia de cálculo deverá considerar o médio prazo”, acredita Bergo.

AIE: novos surtos da covid e lockdowns atrasam retomada na demanda por petróleo

Novos surtos da covid-19 e medidas como lockdowns para conter a disseminação do vírus têm pesado sobre o consumo de petróleo e contêm uma retomada na demanda, afirma a Agência Internacional de Energia (AIE) em relatório mensal, publicado nesta terça-feira.