Petrobras: primeiro call de CEO da companhia com analistas tem tom positivo com foco em ESG e desalavancagem

Joaquim Silva e Luna, presidente da Petrobras: discurso ao conselho foi vago e sem detalhes (Agência Brasil/Agência Brasil)

SÃO PAULO – Na primeiro encontro virtual de analistas do mercado financeiro com o presidente da Petrobras (PETR3;PETR4), general da reserva Joaquim Silva e Luna, o tom foi positivo, de continuidade da estratégia atual de venda de ativos e desalavancagem.

De acordo com o Morgan Stanley, que participou da conversa, o CEO “plantou a sementinha” de planos com maior foco ESG (sigla que designa as melhores práticas ambientais, sociais e de governança), com ênfase na parte social. O investidor, contudo, não deve esperar nada revolucionário nem nenhum movimento drástico sobre o tema, destaca o banco.

Uma atenção especial para os dividendos também foi destacada pelo time. Segundo o banco americano, embora o foco da estatal continue na desalavancagem, a Petrobras quer aumentar a remuneração paga aos acionistas quando o gatilho da dívida bruta de US$ 60 bilhões for alcançado.

Além disso, a mensagem do encontro foi de que a Petrobras continua comprometida com a gestão do portfólio e com o cumprimento dos prazos definidos com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para as vendas de ativos de refino e gás natural. Para a administração, esses desinvestimentos têm um efeito duplo: reduzir a alavancagem e abrir o mercado para novos participantes.

“Apesar de não haver mudanças aparentes na estratégia, a percepção de potencial intervenção do governo na política da empresa é uma preocupação, principalmente enquanto a agenda de privatização de refinarias não estiver concluída”, escreveu o Morgan Stanley.

Desta forma, o banco mantém sua recomendação equal-weight (perspectiva de valorização dentro da média do mercado) e preço-alvo de US$ 11 para os papéis negociados na Bolsa de Nova York (ou ADRs), um valor 4,36% maior ante o fechamento anterior.

Também na teleconferência, o Bradesco BBI aponta que houve um destaque especial para questões de sustentabilidade. Segundo os analistas, o próximo plano estratégico da empresa deverá trazer mais iniciativas para o processo de descarbonização mundial e transição energética.

Assim como o Morgan Stanley, os analistas reforçam, contudo, que o plano não deve trazer grandes mudanças.

O time de análise também chama atenção para o reconhecimento, por parte do CEO, do potencial de pagamento de dividendos da Petrobras. Silva e Luna afirmou que procurará formas de maximizá-los, sempre respeitando a meta de alavancagem da empresa.

Rodrigo Araújo, CFO da empresa, também disse que a Petrobras pode aprovar uma política incremental para garantir um fluxo mínimo de dividendos no futuro, escreve o Bradesco BBI.

Outro ponto reforçado pelo general da reserva foi de que ele busca seguir critérios meritocráticos para formar seu grupo de diretores. E afirmou que não há pressão do governo para impor qualquer tipo de política específica.

Com relação à desalavancagem, a administração da Petrobras afirmou que a empresa continuará se esforçando para vender as refinarias em seu plano de investimento, embora o cumprimento dos prazos não dependa apenas da vontade da empresa.

“Não há planos futuros de construção de quaisquer refinarias adicionais, exceto um pequeno projeto de integração entre a RNEST e a REDUQ, com a adição de uma estação de tratamento de gás e uma planta de lubrificantes industriais”, escreveu o time.

O Bradesco BBI tem recomendação de outperform (performance acima da média do mercado) para os papéis preferenciais da Petrobras (PETR4), com preço-alvo de R$ 35, ou alta de 27% em relação ao fechamento de segunda-feira.

CBios já subiram quase 45% em setembro na B3

Os preços dos Créditos de Descarbonização (CBios) romperam a estabilidade registrada desde o início do ano, período em que se mantiveram abaixo de R$ 30 por tonelada de carbono, e dispararam em setembro na B3.

Preço dos combustíveis deve continuar elevado em 2022, diz XP

A XP divulgou projeção de alta para os combustíveis, que devem continuar em um patamar alto pelos próximos meses, considerando a alta do preço do petróleo no mercado internacional, câmbio em R$ 5,20 no ano e em R$ 5,10 em 2022 e escassez de etanol, que são utilizados para reajustar preços na Petrobras.

Defasagem dos preços da gasolina diminui, mas do diesel se mantém, aponta Abicom

Os preços da gasolina praticados pela Petrobras no mercado brasileiro hoje têm uma defasagem média de 6% em relação aos preços internacionais, apontou levantamento da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom).