(Imagem: Reuters/Sergio Moraes)

A Petrobras (PETR4) recebeu ofício do Ministério de Minas e Energia com indicações para a composição da chapa da União para cargos no conselho de administração da empresa, cuja eleição ocorrerá na próxima Assembleia Geral Extraordinária (AGE), informou a petroleira em fato relevante nesta terça-feira.

O ofício prevê a recondução de Eduardo Bacellar Leal Ferreira à presidência do conselho, bem como a recondução de Joaquim Silva e Luna, atual presidente-executivo da estatal, à sua posição no colegiado.

Também foram apontadas as reconduções de Ruy Flaks Schneider, Sonia Julia Sulzbeck Villalobos (para vaga destinada ao Ministério da Economia), Márcio Andrade Weber, Murilo Marroquim de Souza e Cynthia Santana Silveira (selecionada em lista tríplice elaborada por empresa especializada).

Houve ainda a indicação de Carlos Eduardo Lessa Brandão para cargo de conselheiro, também como nome selecionado em lista tríplice elaborada por empresa especializada.

A companhia já havia recebido, no último dia 7, as indicações de acionistas minoritários para o conselho.

A realização de uma nova assembleia para eleição de cargos no colegiado ocorre após a renúncia do conselheiro Marcelo Gasparino da Silva, representante de minoritários, que havia sido eleito em AGE em abril.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Pedro Serra: Qual o futuro do mercado de óleo e gás no Brasil?

Nesta semana, a Petrobras (PETR3;PETR4) esteve no centro das atenções devido a sua política de preços.

Demanda global por petróleo deve ter recuperação longa e incerta

Operadores petróleo acreditam que é provável que demore mais de um ano, e talvez muito mais, para que a demanda global atinja os níveis pré-pandemia

Petróleo fecha em baixa com cautela por variante Delta e expectativa por Opep+

Os contratos futuros de petróleo fecharam em baixa nesta segunda-feira, 28, com os temores pela variante delta do coronavírus, que levou a imposição de medidas de restrição pelo mundo, sugerindo riscos à retomada da demanda.

Em dois meses, Petrobras amarga duas derrotas ante investidores

Nos últimos dois meses, a Petrobrás sofreu duas derrotas parciais, uma na Europa e outra no Brasil, em procedimentos em que investidores pedem compensações pelas perdas que sofreram com a queda das ações da empresa durante a Operação Lava Jato.