Cerca de 1,1 milhão de barris diários da capacidade de refino dos EUA estavam paralisados na quarta-feira (Imagem: Reuters/Mike Blake)

Produtores e exportadores de petróleo dos EUA começaram a limpar os destroços do furacão Sally nesta quinta-feira, retomando operações na região do Golfo do México que haviam sido deixadas ociosas por cinco dias como forma de proteção contra a tempestade.

A tempestade derrubou árvores, inundou ruas e deixou cerca de 570.000 casas e empresas do Mississippi à Flórida sem energia. O Sally se tornou uma tempestade tropical e espalhou fortes chuvas durante a noite, desde o Alabama até a Geórgia.

As equipes retornaram a pelo menos 30 plataformas offshore de petróleo e gás.

Chevron Corp começou a colocar os funcionários de volta nas plataformas Blind Faith e Petronius no Golfo do México.

O Bristow Group, que transporta trabalhadores petroleiros a partir de um heliporto em Galliano, Louisiana, retomou os voos de troca de tripulação para instalações no oeste e centro do Golfo do México.

O Louisiana Offshore Oil Port, um porto de águas profundas que lida com superpetroleiros, reabriu seu terminal marítimo após suspender as operações no fim de semana.

O Sally interrompeu 508.000 barris por dia de produção de petróleo e 805 milhões de pés cúbicos de gás natural, mais de um quarto da produção do Golfo do México nos Estados Unidos, e interrompeu as exportações petroquímicas ao longo de toda a Costa do Golfo.

Cerca de 1,1 milhão de bpd da capacidade de refino dos EUA estavam paralisados na quarta-feira, de acordo com o Departamento de Energia dos EUA, incluindo duas instalações que passam por reparos desde o furacão Laura e outra paralisada por demanda fraca devido à pandemia de Covid-19.

Fonte: Reuters

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petrobras adia entregas de propostas por refinarias em meio a coronavírus

Adiamento em função de medidas de prevenção tem como objetivo assegurar efetiva análise do negócio por parte dos interessados, diz empresa.

Consumo de combustíveis tem pior março desde 2011, aponta ANP

No primeiro mês de medidas de restrição à circulação de pessoas, como estratégia de enfrentamento à pandemia da covid-19 no Brasil, o consumo de combustíveis caiu 5,3% em março, na comparação com igual período do ano passado.

Mercado fez com gasolina o que setor de etanol queria, diz CEO da Petrobras

Com a alta dos preços da gasolina na esteira de uma recuperação das cotações internacionais do petróleo, os valores do combustível fóssil nas bombas do país ficaram sustentados pelas forças do mercado.

Preços do petróleo recuam com temores de 2ª onda de coronavírus

Novos cortes de produção pela Arábia Saudita amenizaram temores quanto o excesso de oferta e limitaram as perdas.