RIO – A Federação Única de Petroleiros e o Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ) anunciaram para o próximo sábado, 26, o início de uma greve nacional da categoria. Lideranças dos trabalhadores do setor consideram que a Petrobrás está sendo intransigente em relação às suas reivindicações. Agora, prometem parar a produção em 72 horas, se a estatal não mudar de posição. A empresa oferece reajuste salarial abaixo da inflação (70% do INPC) e quer migrar seus empregados para a nova legislação trabalhista. Com isso, quem ganha salários mais altos, por exemplo, poderia perder o reajuste do acordo.

As negociações começaram em maio e foram  levadas à Justiça do Trabalho em agosto. A maioria das assembleias dos empregados da Petrobrás rejeitou a proposta do Tribunal Superior do Trabalho (TST). A exceção foi o Sindipetro RJ, que representa cerca de um terço dos trabalhadores da estatal. A entidade, porém, alegou pressão da Petrobrás sobre os trabalhadores e encaminhou nesta terça, 22, documento ao TST. Nele, questiona o resultado da assembleia que realizou sobre o tema. Também pediu mais prazo para sua manifestação final. 

Segundo o documento, ao todo votaram 9.426 filiados ao Sindipetro-RJ, sendo que 4,756 votos a favor do acordo, 4.591 contra e 79 abstenções/votos brancos e nulos. A direção do sindicato argumenta que o número de votantes foi atípico, muito acima do que normalmente acontece. Sugere que a Petrobrás atuou para colocar empregados favoráveis ao acordo nas assembleias, o que teria distorcido o resultado.

Apesar de sua assembleia aceitar o acordo do TST, o Sindipetro RJ aprovou, assim como as assembleias da FUP, a greve a partir do dia 26, se a estatal não melhorar a proposta para o Acordo Coletivo do Trabalho (ACT) 2019. O resultado já foi comunicado à empresa, segundo a FUP.

Nem a Petrobrás nem o TST retornaram os pedidos de entrevistas.

Fonte: economia.estadao.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Petrobras exporta recorde de petróleo em abril apesar da crise de demanda global

Estatal registrou marca de 1 milhão de barris por dia, superando recorde anterior de 771 mil barris por dia, alcançado em dezembro de 2019.

Aquecimento nas vendas de combustíveis favorece o Renovabio

Queda drástica da demanda leva a avaliar novas metas para a aquisição dos CBios e gerou dúvidas sobre a implantação do programa, mas a retomada do consumo fortalece o RenovaBio

Produção de petróleo do Brasil cresce 11% em julho na comparação anual, diz ANP

Na comparação com junho, alta foi de 2,2%. Produção no Pré-sal correspondeu a 70,3% do total nacional.

Preço médio da gasolina nas bombas cai pela 8ª semana seguida, diz ANP

O diesel também caiu, registrando sua 6ª semana de queda; já o valor do etanol subiu, interrompendo uma sequência de 9 baixas.