Campo de exploração de petróleo no RN — Foto: Getúlio Moura/Petrobras/Divulgação

O barril de Brent deve chegar a US$ 80 até o fim do ano e, para os analistas do JP Morgan liderados pela veterana Joyce Chang, as políticas de ESG estão contribuindo para a escalada.

A análise foi publicada pela Barron’s. O Brent negocia hoje a US$ 72.

Além da disparada da demanda à medida que a economia global se recupera da pandemia, o banco entende que as políticas ESG estão tendo um efeito indesejado, “reduzindo a oferta de energia fóssil mais rápido do que a demanda consegue migrar para fontes renováveis”.

“Há um risco de que os preços do petróleo disparem, com a indústria de petróleo e gás alcançando um ponto de inflexão devido ao baixo investimento crônico,” escreveram os analistas.

Os preços do Brent no mercado futuro chegaram a cair quase 7% na segunda-feira — algo que não acontecia desde março — devido ao temor no mercado com o avanço da variante Delta do coronavírus, somado a um acordo fechado no fim de semana para elevar a oferta da commodity.

O grupo formado por membros da OPEP e pela Rússia concordou, no domingo, em aumentar a oferta de petróleo a partir de agosto para frear os preços, que atingiram o maior nível em mais de dois anos.

Nesta quarta, os contratos futuros de petróleo fecharam em forte alta, dando continuidade ao movimento de recuperação depois do tombo de segunda-feira, ultrapassando o nível simbólico de US$ 70 por barril.

Fonte: Brazil Journal

Assine nossa newsletter

Cadastre-se e recebe nossas notícias da semana.

VOCÊ PODE GOSTAR

Raízen adquire negócio de lubrificantes da Shell no Brasil

A Raízen, controlada da Cosan (CSAN3), anunciou a aquisição da totalidade do negócio de lubrificantes da Shell no Brasil.

Ipiranga virou uma pedra no sapato da Ultrapar?

A Ipiranga virou uma pedra no sapato da Ultrapar (UGPA3)? Esse é a visão dos analistas do BTG Pactual e BB Investimentos, após a empresa divulgar seu balanço financeiro do 1º trimestre.

Diesel começa a chegar mais caro aos postos com fim da isenção de PIS/Cofins

Com o fim da isenção de impostos federais, os postos brasileiros já começam a receber óleo diesel mais caro, em um movimento que pode levar a preços recordes nas próximas semanas. Principais afetados, os caminhoneiros ainda cobram do governo a extensão do benefício.

Etanol continua competitivo ante gasolina apenas em 3 estados, diz ANP

Os preços médios do etanol na semana encerrada no sábado (28) mostraram-se…